Vida e Saúde

Tecnologia que permite saber como os seios vão ficar após cirurgia chega à Paraíba

Atualizado em: 22/05/2012

A cada ano aumenta no Brasil o número de colocação de próteses de silicone, e mesmo com esse crescimento, muitas vezes as mulheres ficam com dúvidas de como ficará o resultado da cirurgia. Para ajudar com essas incertezas, foi criado um programa de computador que projeta imagens em 3D.

Desenvolvido a partir de pesquisas realizadas em universidades internacionais, o E-stetix reproduz imagens do seio, em 3D, com o resultado do implante. A partir de fotos da própria paciente, é possível escolher a melhor posição para a colocação do silicone e optar pelo melhor modelo e tamanho das próteses.

Para o cirurgião plástico Thiago Cavalcanti, esse é um grande avanço, pois “nós cirurgiões temos a habilidade de medir as mamas e avaliar a melhor opção de tamanho de implante para a paciente, mas as vezes existe uma desconecção entre a nossa orientação e a orientação da paciente que tem apenas uma idéia vaga do tamanho, e se deixam levar pelo impulso da mídia querendo sempre implantes grandes que podem prejudicar as mamas, causando uma distensão da pele e estrias, além de não obterem nenhum ganho estético”.

Utilizando o E-stetix há algum tempo, o médico exemplificou como o uso do programa pode beneficiar as mulheres: “Tivemos uma paciente que queria colocar 300ml de silicone em cada mama, mas, o corpo dela não suportaria essa quantidade. Fiz a simulação com 265ml e ela se convenceu que esse era o tamanho ideal para o seu biotipo físico, demonstrando mais confiança em passar pelo procedimento”.

Os profissionais alertam apenas que trata-se de um programa de computador, e por isso, a cicatrização e outros fatores devem ser levados em consideração.

De uso exclusivamente médico, o programa já é usado em vários estados do país, inclusive na Paraíba, e só pode ser adquirido por cirurgiões e, apesar das projeções de imagens em 3D, é limitado.

Da redação

Vida e Saúde