Vida e Saúde

Saiba o quanto é importante ser um doador de sangue

Atualizado em: 07/06/2013

denise_4

Para muitos, a doação de sangue é considerado um ato de amor, pois através dessa atitude é possível salvar uma vida, no entanto, ainda são poucas as pessoas que disponibilizam alguns minutos do seu dia para passar por esse procedimento. Apesar das ações realizadas pelos órgãos públicos e Ongs, são os familiares dos pacientes promovem verdadeiras campanhas para atrair os doadores.

Após quase perder o filho em um acidente, a empresária Denise Wolff se tornou uma grande incentivadora da doação de sangue. “Doar sangue é um ato de extrema importância. Antes nenhum membro da minha família tinha o hábito de doar sangue, para você ver como Deus faz as coisas”, destacou.

Há quase um ano o triatleta Werner Ruldof foi atropelado, em Cabedelo, por um ônibus escolar enquanto treinava para o Campeonato Mundial de Triatlon. Por causa dos ferimentos causados pelo acidente, o atleta preciso receber sangue para sobreviver. Denise Wolff explicou que esse foi o pior momento da sua vida. “Como é saber que a vida do seu filho dependia da doação de outras pessoas?”, disse.

No total, Werner precisou de aproximadamente 40 bolsas de sangue. Segundo a mãe do atleta, a busca por doadores foi feita pelo filho caçula. Além de recorrer aos parentes, ele usou as redes sociais para mobilizar mais doadores. “Não vivi muito toda a luta para conseguirmos o sangue que ele precisava. Somente depois fiquei sabendo de como aconteceu tudo, e a visão para a doação de sangue agora é totalmente outra”, explicou.

Jogadores do Botafogo Espectros fazem doação de sangue para triatleta (Foto: Divulgação)

A ação da família foi tão grande que, de acordo com o Hemocentro da Paraíba, em apenas um dia os doadores que destinaram seu sangue para Werner bateu o recorde do local. A quantidade de material coletado foi tanto que bolsas de sangue também foram destinadas para outras pessoas.

Hoje o triatleta está bem, e as sessões de fisioterapia estão contribuindo para  a sua recuperação. Por causa da experiência que passou, e por perceber a importância de doar sangue, Denise Wolff se tornou uma “embaixadora” do Hemocentro. “Agora fico pedindo para todo mundo doar sangue, independente do RH. O Hemocentro sempre esta precisando de doadores”, concluiu.

Mais informações

Condições básicas para doar sangue:

Candidatos com:
– Aspecto saudável e declaração de bem-estar geral;
– Idade entre 18 anos completos e 67 anos, 11 meses e 29 dias. Podem ser aceitos candidatos à doação de sangue com idade de 16 e 17 anos, com o consentimento formal do responsável legal. E, em caso de necessidades tecnicamente justificáveis, o candidato cuja idade seja inferior a 16 anos ou superior a 68 anos somente poderá ser aceito após análise pelo médico do serviço de hemoterapia.
– Peso mínimo de 50 kg. Candidatos com peso abaixo de 50 Kg podem ser aceitos após avaliação médica e desde que respeitados critérios específicos estabelecimentos na Portaria 1.353/11, que estabelece o novo Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos.
– Apresentar documento com foto, válido em todo território nacional;

Recomendações para o dia da doação:
– Nunca vá doar sangue em jejum; 
– Faça um repouso mínimo de 6 horas na noite anterior a doação; 
– Não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores; 
– Evitar fumar por pelo menos 2 horas antes da doação; 
– Evitar alimentos gordurosos nas 3 horas antecedentes a doação; 
– Interromper as atividades por 12 horas as pessoas que exercem profissões como: pilotar avião ou helicóptero, conduzir ônibus ou caminhões de grande porte, subir em andaimes e praticar pára-quedismo ou mergulho.

Denise Wolff e seu filho Werner Rudolf antes do acidente (Foto: Arquivo pessoal)

Quem não pode doar?
– Quem teve diagnóstico de hepatite após os 10 anos de idade; 
– Mulheres grávidas ou amamentando; 
– Pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como AIDS, hepatite, sífilis e doença de chagas; 
– Usuários de drogas; 
– Aqueles que tiveram relacionamento sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos.

O que acontece depois da doação?
O doador recebe um lanche, instruções referentes ao seu bem estar e poderá posteriormente conhecer os resultados dos exames que serão feitos em seu sangue. Estes testes detectarão doenças como AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, HTLV I/II, Hepatites B e C, além de outro exame para saber o tipo sanguíneo. Se for necessário confirmar algum destes testes, o doador será convocado para coletar uma nova amostra e se necessário, encaminhado a um serviço de saúde.

O que acontece com o sangue doado?
Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (como hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada. Os componentes são distribuídos para os hospitais da cidade para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.

Local para doação

Hemocentro Paraíba
Av: Dom Pedro II, nº 1119 – Torre
Fone: (83) 3218-5690
Horário: Segunda até Sexta: 7h às 18h
Sábados: 7h às 12h

Portal Mulher de Fato, Dani Rabelo

Vida e Saúde