Vida e Saúde

Gravidez pós-parto pode trazer riscos à saúde da mamãe e do bebê

Atualizado em: 02/03/2017

gravidez-pos-parto-0217-1400x800

A Gravidez no pós-parto pode trazer risco a saúde da mãe e do bebê. Proteger-se contra uma nova gravidez nesse período é fundamental, para que o corpo tenha tempo para se recuperar e voltar ao seu estado natural. A amamentação não é suficiente para garantir que a mulher não volte a engravidar, por isso é necessário bastante atenção e cuidados.
A matéria “Como evitar a gravidez após o parto“, do site VouNascer.com, diz que é consensual que, após o parto, enquanto a mulher mantiver perdas sanguíneas, que habitualmente têm uma duração de 2 a 3 semanas, haja abstinência sexual. Após o cessar destas perdas, caso o casal esteja disponível, a vida sexual pode ser retomada. O uso de métodos contraceptivos é necessário, no entanto, pelo fato da amamentação é indispensável o acompanhamento médico.

O Portal Bolsa de Mulher comenta a gravidez pós-parto. Leia a matéria na integra abaixo.

Gravidez no pós-parto é comum e pode ter alguns riscos; especialista explica
Após o parto, por mais tranquila que seja a chegada do bebê, a adaptação da mãe à nova rotina pode fazer com que algumas mulheres se esqueçam de hábitos comuns, como uso de anticoncepcionais ou o retorno às consultas ginecológicas. Segundo alguns estudos, de 10 a 40% das mulheres faltam à primeira consulta após o nascimento do bebê, o que ajuda a resultar em uma gravidez não planejada.

Qual risco de gestações seguidas?
O pós-parto é um período estressante, pois o casal está se adaptando a uma nova vida e os horários de descanso e prazer a dois são escassos. A opção pelo retorno no uso de um método contraceptivo é mais uma dificuldade nesse contexto e, muitas vezes, acaba sendo adiada.

“Essa morosidade acaba impactando na eficácia do método e favorecendo uma gravidez não planejada em um período cheio de mudanças”, afirma a ginecologista Ilza Maria Urbano Monteiro. É que além do impacto na dinâmica da família, os intervalos intergestacionais, ou entre as gestações, são recomendados pelos médicos para evitar complicações.

Gravidez pós-parto

Gravidez pós-parto

Quando os intervalos entre as gestações são pequenos, os riscos de mortes maternas e infantis aumentam. Quando os bebês têm menos de 18 meses de diferença para o irmão, aumentam as chances de parto prematuro, de nascerem subnutridos ou até mesmo com paralisia cerebral.

No caso das mães com intervalos intergestacionais menores que seis meses, as complicações variam de sangramento vaginal a anemia e morte. Porém, segundo a especialista, quando as mulheres amamentam os bebês exclusivamente com leite materno, o corpo demora mais tempo para retomar a ovulação, apenas em 20% dos casos o cenário é diferente.

Mas isso não deve ser considerado motivo para descuido. Até porque quando o bebê ingere a fórmula do leite em pó ou outros alimentos além do leite materno, esse percentual aumenta. Por esse motivo, é importante manter as consultas ao ginecologista em dia.

 

Fonte: Portal Bolsa de Mulher 

Vida e Saúde