Vida e Saúde

Quer andar na corda bamba? Conheça o slackline

Atualizado em: 05/04/2013

corda

Hoje é possível ver em praias e parques grupos de pessoas se equilibrando em uma fita. Você sabe o que é exatamente? Já teve vontade de participar? Trata-se do slackline, um esporte que está ganhando muitos adeptos aqui no Brasil.

Então, que tal se divertir praticando uma atividade física? Saiba mais sobre essa modalidade.

Luciana Pereira, sócia da empresa Dragon Slacklines, explica que o slackline é um esporte de equilíbrio, onde uma fita é montada entre dois pontos, sendo que o objetivo é atravessá-la se equilibrando. Apesar de estar "em alta" agora entre os brasileiros, surgiu na década de 1980, no Yosemity Valley, na Califórnia (EUA), onde escaladores em dias não propícios para subir nas rochas passavam o tempo se equilibrando nas correntes do estacionamento do parque nacional.

"Então, passaram a usar as cordas que faziam parte do equipamento de escalada e, posteriormente, optaram pelas fitas que são usadas atualmente. No Brasil, o slackline chega por volta do ano 2000 nas praias do Rio de Janeiro, onde ainda hoje se encontra o maior número de adeptos. Mas ganha força total a partir de 2008", detalha Luciana, adicionando que de lá para cá o esporte só tem crescido.

Segundo ela, é uma modalidade indicada para todas as pessoas: crianças, adolescentes, adultos e idosos, inclusive, aqueles com dificuldades de locomoção ou intelectual. Mas não é recomenda para gestantes nem para quem sofre de labirintite, já que a pessoa pode se sentir desconfortável.

"Treinar o equilíbrio e a concentração é possível e importante para todos nas diferentes fases da vida. O que difere é o objetivo e a capacidade de realização. Uma criança se beneficia descobrindo as possibilidades do seu corpo. No caso do idoso, é uma redescoberta! Um adulto empresário, por exemplo, descobre que deve seguir os mesmos passos que utiliza no cotidiano para atingir seus objetivos, como persistência, foco em suas metas e não ter medo de vacilar, cair e começar de novo", completa Luciana.

Com certeza, todos só terão benefícios ao se dedicarem a este esporte. Melhoria do equilíbrio, da concentração e do tônus muscular de pernas, glúteos, braços e abdômen, desenvolvimento do raciocínio lógico, aprimoramento da atenção, domínio corporal e estímulo à determinação e disciplina são algumas das vantagens.

Mexa-se!

A seguir, a sócia da Dragon Slacklines aponta o material necessário para o slackline e também como praticá-lo. "É preciso um equipamento próprio para esse esporte. Um kit deve ter uma fita de poliéster que, para iniciantes, possui, em média, 15 m de comprimento e 50 mm de espessura; outra fita com um elo onde é presa uma catraca para dar tração; um par de protetores de ancoragem, que costuma ser chamado de protetor de árvores; e um back up de segurança", lista.

Então, com o kit montado em uma altura que pode ser próxima a dos joelhos, é só subir na fita e tentar dar os primeiros passos. "É uma diversão! Além disso, há a satisfação de conseguir vencer um desafio: atravessar o slack pela primeira vez", destaca Luciana, que ainda dá dicas para os iniciantes. "Sempre coloque a sola do pé todo sobre a fita; mantenha o olhar num ponto fixo à frente; permaneça com o abdômen sempre contraído; deixe os joelhos um pouco flexionados; mantenha os braços relaxados e erguidos fazendo um contrabalanço para conseguir equilíbrio e procure dar pisadas fortes, afinal, quanto maior a força que seu corpo exercer sobre o slack, mais firme ele ficará e balançará menos."

No entanto, existem cuidados que devem ser tomados. Primeiro, é primordial que o equipamento seja apropriado. "Ainda há pessoas que compram fitas de elevação de carga de caminhão e catracas de péssima qualidade, porque o valor é mais baixo. Entretanto, pode ocorrer desgaste rápido da catraca, comprometendo toda a segurança do sistema." Segundo, deve-se verificar a resistência do local da ancoragem. E, por último, é preciso se assegurar de que na superfície onde acontecerão as quedas não haja pedras, tocos ou buracos.

A sócia da Dragon Slacklines finaliza lembrando que já existem variações do slackline. Usando uma fita mais macia e elástica, no trickline são feitas manobras semelhantes as do surf ou do skate. No longline, a fita passa a ser tubular e é montada em distâncias superiores a 20 m. A vertente mais radical é o highlline, na qual a travessia é feita em alturas superiores a 5 m. O waterline tem a fita presa sob uma piscina, mar, lagoa etc, com queda na água. No surfline e no yogaline são realizados movimentos sobre a fita semelhantes a essas práticas.

Mais Equilíbrio

Vida e Saúde