Vida e Saúde

Quais os principais vilões da rinite alérgica?

Atualizado em: 29/05/2015

rinite

Com o Dia dos Pais se aproximando, os consumidores que pretendem ir às compras de última hora deverão ficar atentos. Para auxiliar os consumidores na hora da decisão, o Procon da Paraíba realizou pesquisas de preços de diversos produtos em estabelecimentos localizados em João Pessoa.

Conhecer os sintomas e fazer o tratamento correto é essencial não só para combater a rinite alérgica, mas também para prevenir diversas outras doenças, de acordo com a pediatra Ana Paula Moschioni Castro, diretora da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia). Segundo a especialista, a doença é uma das que mais atinge a população brasileira e mundial. Cerca de 40% das pessoas no País sofrem como esta alergia.

— A rinite é uma doença subvalorizada. Ela provoca asma, sinusite, e até mesmo distúrbios no sono, já que a boca fica aberta e a concha nasal [região do nariz] cresce e parecem dois feijões.

De acordo com a médica, os principais sintomas são espirros, coriza e coceira no nariz. Apesar de ela ser muitas vezes confundida com gripe e resfriado, há uma simples maneira de se descobrir a presença ou não da rinite alérgica.

— Em geral, as doenças alérgicas são repetitivas. Ou seja, se você entra em um ambiente e espirra, espirra e espira, pode pensar ser um resfriado, mas resfriado tem começo, meio e fim. Se você novamente entra em um local e espirra de novo, tem que ficar atento. Além da repetitividade, é necessário verificar o histórico familiar e procurar um médico, já que alergias têm carga genética.

Apesar de não ter cura, é uma doença que tem como prevenir e controlar. Segundo Ana, basta “evitar aquilo que te faz mal” e usar tratamentos médicos que, de acordo com ela, são “totalmente seguros”.

— Os ácaros, pelos, urina e fezes de animais, baratas, fungos, cheiros de perfumes, fumaça, poluição podem desencadear a rinite alérgica. Muita gente não sabe, mas o ácaro morto também provoca alergia. Quem tem rinite não deve ficar em um ambiente com carpete e bolor, por exemplo. Claro que esterilizar o local não vai curar o problema porque não tem cura, mas também não é possível liberar tudo.

Tratamento correto

Segundo a médica, a qualquer sintoma da doença, é importante procurar orientação com um profissional para tratar o quadro com o remédio correto.

— O brasileiro tem mania de tomar antiflamatório para quaisquer sintomas. Um diagnóstico inadequado fará a pessoa seguir um tratamento incorreto. Se a pessoa tomar um remédio errado, poderá ter um efeito adverso e até mesmo desenvolver alergias.

 

Fonte: Da Redação com R7

Vida e Saúde