Vida e Saúde

As primeiras festas de fim de ano do bebê

Atualizado em: 22/12/2013

1499831_637371062965910_101458914_n

Um bebê recém-nascido não vai poder participar muito do clima de festas, mas certamente se interessará pelas cores, pelas luzes e pelas músicas dessa época do ano.

Logo que nasce, a criança só enxerga bem coisas que estejam a entre 20 e 35 centímetros de seus olhos. Por isso, segure-a no colo para mostrar a árvore ou os enfeites de Natal, ou então coloque um colchãozinho ou edredon no chão para que ela possa observar as luzes da árvore, se você tiver uma na sala.

Com 1 mês, o bebê ficará hipnotizado por qualquer coisa que passar diante de seus olhos. Tente balançar um enfeite colorido (inquebrável) perto do rosto dele, ou amassar um papel de presente sob o olhar do seu filho. Ele vai gostar do barulhinho.

Bebês dessa idade adoram receber carinho, colo e sorrisos: são fascinados por rostos humanos e ainda são muito novos para estranhar pessoas que não conheçam bem. Sorte dos parentes, que vão poder babar bastante. Apesar disso, cuidado para que seu filho não passe a noite toda de colo em colo e volte para casa exausto e mal-humorado.

Por volta dos 5 ou 6 meses, a criança começa a distinguir os rostos familiares e pode começar a chorar se for para o colo de alguém que não conheça. Para que isso não ocorra, tente dar um tempo ao bebê para que ele se acostume com as novas fisionomias.

Como a audição do bebê já está totalmente desenvolvida com cerca de 1 mês de idade, ele vai prestar muita atenção às vozes em torno de si. Aproveite também para ler alguma história especial. Não tem problema se ele ainda não entender exatamente o que você está dizendo — o estímulo será positivo para o desenvolvimento.

Recém-nascidos têm a audição sensível e se sobressaltam com sons altos. Por isso, se a festa estiver especialmente barulhenta, procure deixá-lo num lugar mais calmo. Tome cuidado especial com o barulho de rojões e fogos de artifício.

“Se os fogos forem próximos à sua casa, procure fechar janelas e portas para tentar abafar a intensidade do som”, recomenda o pediatra Fábio R. Picchi Martins. Segundo ele, não adianta colocar algodão no ouvido da criança para amenizar o som, porque, além de pouco ajudar, ainda corre-se o risco de um corpo estranho ficar esquecido no local.

Na empolgação das festividades é fácil esquecer que tantos rostos novos, sons e novidades podem estimular demais um bebê muito novinho, deixando-o inquieto e incomodado. Preste bem atenção nos sinais que seu filho lhe dá: coloque-o para dormir ao primeiro sinal de sonolência (esfregar os olhos e as orelhas, irritabilidade). E, se ele estiver especialmente nervoso, tente ficar um tempinho com num lugar mais tranquilo.

Recém-nascidos ainda estão com o sistema nervoso em desenvolvimento e, por isso, são muito suscetíveis à superestimulação. Depois que a festa termina e todo mundo volta para casa, você se vê com um bebê que só chora e não consegue se acalmar e dormir de jeito nenhum. Crianças que sofrem de cólica parecem ser mais sensíveis à estimulação que outras.

Uma das maiores fontes desse tipo de problema é a bagunça nos horários do bebê, por causa dos eventos sociais. Sempre que der, procure preservar pelo menos a rotina dos horários de dormir e acordar. É melhor procurar um quarto mais calmo e perder algum tempo tentando fazer o bebê adormecer que passar o dia inteiro com uma criança irritada e nervosa porque está cansada demais.

Fonte:Babycenter

Vida e Saúde