Preocupação com sexualidade afasta brasileira do parto normal

Vencedoras do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios serão conhecidas no próximo dia 28
20 de fevereiro de 2012
Secretaria da Mulher destaca 80 anos do direito ao voto feminino
24 de fevereiro de 2012

Preocupação com sexualidade afasta brasileira do parto normal

Fatores culturais e falta de informação são alguns dos motivos que levam à preferência nacional pelo parto com data marc

Fatores culturais e falta de informação são alguns dos motivos que levam à preferência nacional pelo parto com data marcada.

Hoje, o Brasil é um dos recordistas mundiais em partos cesáreos. Em 2010, o número de nascimento cirúrgicos chegou a 52%, passando os partos normais.

A preocupação com a quantidade de cirurgias no nascimento é tanta que o Ministério da Saúde vai fazer uma pesquisa com 24 mil mulheres para entender o que leva à escolha da cirurgia com data marcada para dar à luz.

O trabalho vai verificar qual indicação médica e os motivos que levaram a mulher a escolher um determinado tipo de parto –normal, cesáreo ou até em casa.

A hipótese é que fatores culturais contam muito nesse tipo de decisão.

“A mulher brasileira se preocupa com a sexualidade e teme que o parto altere o períneo, o que é é um mito”, diz Vera Fonseca, diretora da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e do Conselho Federal de Medicina.

Medo da dor

O medo da dor também afasta a mulher do parto normal. “Temos uma imagem de parto normal como se vê no cinema, com dor e sofrimento. Isso afasta as mulheres da opção natural”, analisa a historiadora da ciência Germana Barata, da Unicamp.

De acordo com a ginecologista da USP, Sonia Penteado, alguma mulheres até tentam enfrentar a dor do parto, mas não aguentam.

“Já tive pacientes que chegaram a ter dilatação completa no parto, mas não toleraram a dor e pediram para que fosse feita a cesárea”, conta.

Esse tipo de intervenção é possível no sistema privado. “No público, a mulher tem de aguentar a dor porque faltam cirurgiões”, diz Penteado.

Por isso, a quantidade de partos cesáreos no SUS gira em torno de 37% dos nascimentos. Na rede privada, o número sobe para 82%.

Decisão do médico

Mas, além da cultura, a opinião dos médicos também conta –e muito– na decisão.

“Nunca chegou uma paciente no meu consultório dizendo ‘quero cesárea e pronto'”, diz Penteado.

Segundo ela, a maioria das mulheres decide com seu médico o tipo de parto.

Ela recomenda parto normal a suas pacientes desde que não existam fatores de riscos, como hipertensão. Hoje, a doença é a principal causa de morte de mulheres no parto no Brasil (na Europa e nos EUA é a hemorragia).

Para Fonseca, muitos médicos incentivam a cesárea por receio de falta de leitos, inclusive na rede privada.

O Brasil tem 0,28 leitos para cada mil usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) –o que, de acordo com o Ministério de Saúde, atende a demanda. Mas países desenvolvidos têm o dobro disso.

“Se a paciente entra em trabalho de parto de maneira inesperada, corre risco de não ter vaga. Isso dá insegurança para o médico.”

Folha Online

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *