Vida e Saúde

PB: Notificados mais de 10 mil casos de dengue

Atualizado em: 02/10/2012

dengue

Divulgado nesta terça-feira, 2, mais um boletim epidemiológico com os casos de dengue na Paraíba. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), de janeiro até o dia 29 de setembro, foram notificados 10.562 casos de dengue em 181 municípios paraibanos, entre os quais se destacam João Pessoa (4.273 casos), Cabedelo (1.490 casos), Patos (478 casos), Bayeux (248 casos ), Catolé do Rocha (186 casos), Guarabira (174 casos), Sousa (161casos), Vista Serrana ( 160 casos ), Uiraúna (154 casos), Santa Luzia (139 casos) Esperança (136 casos ), Santa Rita (117 casos), Princesa Isabel (116 casos) e Teixeira (104 casos). Esses municípios concentram aproximadamente 75% das notificações do estado.

Segundo a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Talita Tavares, a dengue vem apresentando uma variação sazonal, registrando um maior número de notificações no primeiro semestre. “As maiores incidências foram registradas entre mulheres na faixa etária de 20 a 49 anos e entre as crianças menores de um ano de idade, com taxas acima de 300 casos por 100 mil habitantes”, observa a gerente.

Ainda segundo o boletim epidemiológico, dos 10.562 casos notificados de dengue, 2.193 já foram descartados. Foram notificados 5.185 casos de dengue clássica, 104 casos de dengue com complicação e 43 casos de febre hemorrágica da dengue. Foram confirmados sete óbitos por dengue, 14 óbitos foram descartados e sete estão em investigação. Segundo Talita, A investigação é de responsabilidade dos municípios e baseada no protocolo do Ministério da Saúde. “Cabe ao Estado acompanhar a discussão de encerramento tanto dos óbitos como dos casos grave da doença”, disse.

Orientações

A gerente de Vigilância em Saúde acrescentou que a SES continua orientando a população para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue. Para não contrair a dengue, deve-se evitar o acúmulo de água em locais como vasos de plantas, garrafas e latas, além de outros locais em que a água fique armazenada.

“Continuamos com as orientações para o controle vetorial buscando a redução dos criadouros do mosquito e a indução de práticas cotidianas junto à população para que assim seja possível reduzirmos o risco de adoecer pelo Aedes aegypti”, afirmou.

De acordo com Talita, é importante que os casos graves da doença sejam notificados em até 24 horas. “A dengue é uma doença dinâmica que pode evoluir rapidamente de uma forma para outra. Assim, em um quadro de dengue clássica, em dois ou três dias podem surgir sangramentos e sinais de alerta sugestivos de maior gravidade. Daí surge à necessidade da notificação dos casos graves em até 24 horas de acordo com a Portaria 104 do MS”. Casos graves da doença devem ser comunicados ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), pelo telefone (83) 8828-2522 (plantão 24 horas).

Redação, com assessoria

Vida e Saúde