Vida e Saúde

Parto humanizado traz mais segurança às mulheres paraibanas

Atualizado em: 22/01/2012

Duas maternidades da rede estadual de saúde, a Frei Damião e a do Hospital Edson Ramalho, aderiram à Política Nacional de Humanização (PNH) do Governo Federal, que estabelece procedimentos para o parto saudável e mais seguro. Nas duas unidades de saúde, o acompanhamento às grávidas foca os casos de baixo risco e de alto risco de João Pessoa e cidades próximas.

“Praticamente todo o trabalho é voltado à humanização do parto, o que a fez a unidade se transformar em referência e receber o título de Hospital Amigo da Criança no dia 9 de novembro de 1999, graças ao incentivo ao aleitamento materno”, disse a capitã Eva Betânia Pires Martins, gerente de obstetrícia da maternidade do Hospital Edson Ramalho.

O parto humanizado é um processo de assistência centrado na mulher. Todo o procedimento está aliado a um ambiente calmo e tranqüilo com privacidade e respeito. “O parto humanizado dá à mulher um atendimento focado em suas necessidades, e não em crenças e mitos. Seus resultados são altamente positivos para a mãe e, evidentemente, para a criança, que se torna mais segura e equilibrada emocionalmente”, afirma a capitã.

Para que a mulher receba a assistência necessária, o plantão da maternidade do Edson Ramalho conta com obstetras, neonatologistas, anestesiologistas, enfermeiras, técnicas de enfermagem, assistentes sociais, psicólogas, fisioterapeutas, fonoaudiólogas, nutricionistas e pessoal de apoio (acolhimento).

Frei Damião – Com 25 anos de existência, a maternidade Frei Damião, no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa, é referência no atendimento à gestante de alto risco. Dentro do Programa Nacional de Humanização, a unidade de saúde também implantou o parto humanizado que vem ganhando estrutura e consistência com atenção principalmente para mães de primeiro parto.

“As mulheres são acolhidas, amparadas e orientadas por uma equipe multiprofissional com médico, enfermeira, fisioterapeuta, nutricionista, técnicas de enfermagem e a médica pediatra, que recebe e avalia o bebê no ato do nascimento”, explica a diretora geral da maternidade, Maria de Fátima Oliveira dos Santos.

Ela afirma que o parto na Maternidade Frei Damião é uma prestação de serviços de intensa rotina e requer profissionais habilidosos e humanitários. “Quando a gestante realiza um pré-natal adequado, ela reconhece o momento e já chega preparada para o trabalho de parto e o parto em si”, diz Maria de Fátima.

O objetivo principal do parto humanizado é proporcionar à gestante o direito natural e básico de ser a dona do seu parto, um ambiente tranqüilo e adequado, escolhendo a posição mais confortável e permitindo que o pai participe diretamente, amparando e massageando a mãe. No parto humanizado, o recém-nascido passa por uma experiência acolhedora e com a menor possibilidade de intervenções médicas ou farmacológicas.

O atendimento no parto humanizado:

* A gestante é acompanhada por alguém da família desde o seu primeiro atendimento, na triagem, até receber alta;

* No pré-parto, a gestante fica em ambiente individualizado, junto com seu acompanhante, com liberdade de movimentos de acordo com a sua preferência e orientada pela equipe multiprofissional (médico, enfermeira, fisioterapeuta e técnicas de enfermagem) que trabalha posições e técnicas para promover maior relaxamento, acelerando o parto naturalmente (uso da bola suíssa, massagens), seguindo o método do Projeto Nascer (teste rápido de HIV, vitamina A e uso do partograma);

* Durante o parto, a paciente tem opção de escolher a posição que achar mais confortável;

* No momento do nascimento é proporcionado o contato mãe e filho precocemente (o primeiro contato ajuda a mãe a iniciar o aleitamento materno);

* Após o parto a paciente e o bebê são mantidos em alojamento conjunto, sendo oferecidos: imunização, teste da orelhinha, orientações sobre aleitamento materno, ofurô, shantala, teste do pezinho e registro civil.

Fonte: Assessoria

Vida e Saúde