Vida e Saúde

Paraíba participa da Campanha Contra a Aids do Ministério da Saúde no Carnaval

Atualizado em: 29/01/2012

O Governo do Estado vai participar da Campanha Contra a Aids do Ministério da Saúde (MS), que será realizada durante o período de Carnaval.  A campanha tem o objetivo de estimular a prevenção e o uso de preservativo, por meio da distribuição de camisinhas e de cerca de 135 mil folders e outros materiais educativos sobre as DST/Aids, que serão enviados pelo MS para serem difundidos entre os foliões.

De acordo com o Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, a campanha será voltada para jovens de 15 a 24 anos, independentemente da orientação sexual. Segundo o MS, nos últimos anos, essa faixa etária tem registrado um número maior de casos de Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

O lançamento nacional de toda a estratégia está previsto para o dia 2 de fevereiro. As orientações do Núcleo de DST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Estado da Saúde (SES) são para que se use o preservativo sempre. “É o jeito mais barato e eficaz de se prevenir das DSTs”, alerta a gerente operacional do núcleo, Ivoneide Pereira de Lucena.

Um mês após o Carnaval, a SES vai realizar uma campanha de incentivo ao teste rápido do HIV, uma vez que depois de trinta dias da pessoa infectada, a precisão é maior para que o resultado do exame seja positivo.

Outras ações – A SES tem realizado uma série de ações de combate e prevenção às DST/Aids. Uma delas é direcionada aos grupos considerados vulneráveis, como os profissionais do sexo e pessoas privadas de liberdade e que estão mais expostas a contrair HIV e hepatites virais, além de outras doenças sexualmente transmissíveis.

Essas pessoas estão sendo submetidas a exames realizados por técnicos do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), ação que conta com a participação da Associação dos Profissionais do Sexo da Paraíba (Apros) e faz parte do Plano Estadual de Enfrentamento à Feminilização da Aids.

Sobre o teste rápido – Ivoneide Lucena explicou que o teste rápido é gratuito, sigiloso, 100% confiável e seguro, e se algum caso der positivo, a pessoa não deve se apavorar, porque terá todo o acompanhamento médico e psicológico oferecido pelos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs).  O teste rápido demora pouco mais de cinco minutos. É necessário apenas uma gota de sangue tirada do dedo; o resultado sai em cerca de 30 minutos.

“A pessoa que vive com o HIV tem de ser vista e tratada de forma normal. Temos que acabar com o preconceito e saber que beijo, abraço e aperto de mão não transmitem a doença. Todas as pessoas devem fazer o teste rápido, pois o diagnóstico precoce ajuda no controle da doença e fazem com que a pessoa goze de uma vida saudável”, disse.

Assessoria

Vida e Saúde