Vida e Saúde

Orquestra Sinfônica da PB homenageia o maestro Eleazar de Carvalho

Atualizado em: 04/07/2012

Acontece nesta quinta-feira, 5, a última apresentação do primeiro semestre da temporada 2012 da Orquestra Sinfônica da Paraíba (OSPB). O concerto em homenagem ao centenário de nascimento do maestro Eleazar de Carvalho, comemorado no dia 28 de julho, será na Igreja São Francisco, às 20h, com entrada franca.

A OSPB terá como convidados a soprano paraibana Isabel Barbosa, que emprestará sua voz para árias de Mozart, Strauss e outros compositores eruditos. De volta à Paraíba e a sua cidade natal, o violoncelista Raiff Dantas Barreto também se apresenta na noite festiva junto à OSPB.

O concerto começa com a “Abertura Don Giovanni”, de Wolfgang Amadeus Mozart. Em seguida, será executado o “Concerto em dó maior para Violoncelo e Orquestra”, de Franz Joseph Haydn, “Concerto em dó maior para Violoncelo e Orquestra”, de Charles Gounod. Será interpretada a “Ária das Jóias”, da ópera “Faust”. Outra ária de Mozart será apresentada ao público, a popular “Deh vieni non tardar”, da ópera “As Bodas de Fígaro”. A noite vai ser encerrada com as obras “Intermezzo”, da ópera “Cavalleria Rusticana” e de “Vorrei spiegarvi il giubilo”, de Giacomo Rossini, da ópera “La cambiale di matrimonio”. Se o público pedir bis, poderá ouvir “Morgen”, de Strauss, e “Oh mio babbino caro”, de Giacomo Puccini.

Sobre Eleazar de Carvalho

Eleazar de Carvalho, que é cearense, se tornou uma das maiores referências da regência brasileira, esteve à frente da OSPB em uma das épocas mais marcantes da Sinfônica, segundo os próprios músicos. “Tocar sob a regência do maestro Eleazar foi um dos momentos mais inesquecíveis de minha carreira e também da OSPB. Com ele, estreamos várias obras grandiosas na Paraíba”, lembra a violinista Alaurinda Padilha, que há trinta anos faz parte da OSPB.

Segundo a presidente da Fundação, Lu Maia, a data não poderia passar em branco. “Para a Funesc, o centenário de Eleazar de Carvalho é uma data de extrema relevância. Apesar de não ser paraibano, ele deu uma enorme contribuição à OSPB, sendo um dos responsáveis por projetá-la no circuito das grandes orquestras. Por isso, fizemos questão de levar esse concerto para um lugar especial, a Igreja de São Francisco, por meio de uma parceria com o Centro Cultural São Francisco”, conta Lu Maia.

Em uma das últimas apresentações no Brasil, a cantora de ópera Isabel Barbosa sente-se orgulhosa em poder fazer parte desta homenagem. “Para mim é uma honra poder participar de um evento dessa importância histórica e cultural. Eu tenho motivos maiores para estar tão emocionada. Foi com o próprio Eleazar de Carvalho que eu debutei no canto lírico, junto a Orquestra Sinfônica da Paraíba, cantando a ária “Vesperaes Solennes di Confessore”, de Mozart”, recorda Isabel.

Além do talento com a regência, o maestro Eleazar também era famoso pela disciplina no trabalho. Rigor que a própria Isabel experimentou de perto. Aos 19 anos de idade, a soprano conta que na época não tinha a noção do que Eleazar significava para a música e, com carinho, lembra que ele chamou sua atenção e ela o respondeu. “Não esqueço quando o maestro Eleazar, logo no início do ensaio, me deu uma bronca por estar respirando nos momentos errados, e eu respondi, muito inocentemente, que eu não tinha fôlego. Todos os músicos da OSPB ficaram assustados com a minha inocente atitude, mas eu ainda não tinha ideia da importância e da sumidade que era o maestro Eleazar de Carvalho”, lembra a cantora.

Fonte: da Redação (com assessoria)

Vida e Saúde