Vida e Saúde

Mulheres que bebem cerveja têm mais chances de ter psoríase

Atualizado em: 09/10/2012

Poured Beer on white ground

 Um estudo da Harvard Medical School, de Boston, nos EUA, concluiu que mulheres que bebem cerveja regularmente têm mais chances de desenvolver psoríase. A psoríase é uma doença de pele crônica, que faz a pele descamar e forma uma espécie de relevo avermelhado.

Segundo o estudo, as mulheres que bebem cinco cervejas por semana têm o dobro de risco de desenvolver a doença, em comparação com as que não bebem.

A pesquisa analisou mais de 82 mil mulheres, com idades entre 27 e 44 anos, e seus hábitos de consumo de álcool durante seis anos. Foi registrado nas mulheres que bebiam de 2,3 cervejas por semana um aumento de 72% no risco de psoríase. Já as que bebiam cinco copos de cerveja por semana, o risco era 130% maior.

As mulheres que bebiam qualquer quantidade de cerveja não alcoólica, vinho ou bebidas destiladas, não apresentavam um aumento no risco de desenvolver a psoríase.

Os cientistas atribuem a alguns componentes não-alcoólicos da cerveja os responsáveis pelo aumento da psoríase. Os mesmos não são encontrados na composição das outras bebidas alcoólicas como o vinho ou outros destilados.

A causa da doença, no entanto, estaria ligada a cevada com glúten, usada na fermentação da cerveja. Estudos anteriores apontam que uma dieta sem glúten pode melhorar os casos de psoríase nos pacientes sensíveis ao glúten.

A psoríase também afeta o couro cabeludo, as palmas e plantas das mãos, os pés e as unhas. Seu tratamento é feito à base de cortisona no combate das manchas. Também é recomendado banhos de luz ultravioleta ou de sol. A doença tem origem genética, mas o fator emocional pode detonar a crise.

Estadão

Vida e Saúde