Vida e Saúde

Médicos tentam incluir cirurgia plástica pós-bariátrica no SUS

Atualizado em: 16/04/2013

Tesoura_Cir%C3%BArgica_RR_curva__45693_zoom

A SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) quer incluir no rol de doenças tratáveis no SUS (Sistema Único de Saúde) as operações plásticas pós-bariátricas. A cirurgia barátrica, um dos tratamentos para combater a obesidade mórbida, consiste na redução de estômago.

Com o emagrecimento resultante da cirurgia, o paciente fica com sobras de pele, que geralmente só podem ser corrigidas com operações plásticas de mama, de abdômen e de glúteos, como explicou o diretor da SBCP-SP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Regional São Paulo), Luiz Henrique Ishida.

De acordo com Ishida, a SBCP busca o reconhecimento oficial desse tipo de cirurgia como atos "pertinentes e necessários" para os pacientes obesos. "A nossa briga agora é conseguir introduzir isso tanto nas tabelas de planos de saúde quanto nas tabelas de saúde pública, como um procedimento que é necessário", disse Ishida.

No começo de junho, representantes da entidade terão encontro com autoridades do Ministério da Saúde, em Brasília, para discutir a questão. O objetivo é obter protocolos que caracterizem as cirurgias plásticas como específicas para a fase pós-bariátrica. "A população tem que saber que pode fazer esse tipo de cirurgia, que tem direito à saúde, e isso inclui os tratamentos para perder peso e pós-perda de peso", disse Ishida.

Midiacon (© Albln | Dreamstime Stock Photos & Stock Free Images)

Vida e Saúde