Vida e Saúde

Fonoaudiólogos querem implementar teste da língua presa

Atualizado em: 30/10/2012

beb%C3%AA3

 Assim como hoje existem o Teste do Olhinho (para detectar problemas de visão) e da Orelhinha (de audição), realizados na maternidade, fonoaudiólogos sugerem um novo exame em recém-nascidos que pode prevenir problemas futuros. Batizado de Teste da Linguinha, a avaliação ajudaria a diagnosticar a língua presa (oficialmente chamada de alteração do frênulo da língua).

Um dos temas do 20º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, que começa nesta terça-feira (30) e vai até o dia 3, em Brasília, o Teste da Linguinha foi adotado na cidade de Brotas, no interior de São Paulo, na unidade hospitalar Santa Therezinha. O objetivo dos profissionais é ampliar o exame para todo o país.

Embora haja poucos estudos epidemiológicos, estima-se que pelo menos 10% dos recém-nascidos apresentem o problema, que pode causar diversos prejuízos.

"A alteração no frênulo é uma das principais causas de desmame precoce", explica a presidente da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa), Irene Marchesan. Isso porque o bebê fica com muita dificuldade para sugar o peito. Além disso, a língua presa gera problemas para mastigar e engolir, e interfere no desenvolvimento da fala. "Muita gente, mais tarde, fica com dificuldade até de beijar", comenta a especialista.

A língua presa pode ser corrigida com um procedimento cirúrgico muito simples, feito por dentista. Até 1940, a língua presa era "cortada " pelas próprias parteiras, prática que foi deixada de lado pelo receio de se fazer uma cirurgia desnecessária.

Atualmente, com as recentes pesquisas, o diagnóstico da língua presa pode ser facilmente realizado por um profissional capacitado. O protocolo adotado em Brotas foi criado pela fonoaudióloga Roberta Martinelli, presente no congresso. Segundo ela, a avaliação é eficaz, rápida e não causa dor.

Apesar de todo o conhecimento que se tem hoje em dia, ainda existem profissionais que negligenciam a língua presa, afirmando que o problema se resolve sozinho com o tempo. E, como ressalta Marchesan, quanto mais cedo a alteração for tratada, menores os prejuízos para a criança e para o adulto, que muitas vezes precisa se submeter a um tratamento mais longo para corrigir as distorções na fala.

Uol

Vida e Saúde