Vida e Saúde

Estresse dos pais aumenta 23% o risco de obesidade infantil

Atualizado em: 18/09/2013

Obesidade infantil vem se tornando cada vez mais um problema nos países desenvolvidos e emergentes, incluindo o Brasil. Por aqui, 8% das crianças são obesas e, outra tantas, estão acima do peso. As causas para o fenômeno são diversas e uma delas pode estar no comportamento dos pais. Mais especificamente no estresse parental. Isto é, se o número de eventos estressantes ou a percepção de estresse pelos pais diante de situações estressantes se associam com a obesidade da prole. Esta hipótese foi verificada num estudo realizado na Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Pesquisadores usaram dados de mais de 2100 famílias, que tinham filhos com idades entre 3 e 17 anos. As entrevistas foram feitas em inglês ou espanhol, em 2006. Diversas questões sobre os estresses cotidianos dos pais e hábitos alimentares dos filhos foram formuladas, tais como “nos últimos 7 dias quantas vezes seu filho comeu no Mac Donalds ou Pizza Hut?”. Obesidade foi definida por critérios habituais levando em conta o peso e a altura da criança. Vejamos o que aconteceu. O número de eventos estressantes parentais aumentou o risco de obesidade infantil em até 23%. Já a percepção do estresse pelos genitores aumentou a chance de consumo de fast food em até 10%. Tudo isso após controle por etnia, gênero da criança, anos de educação dos pais, entre outras variáveis. Não chega a ser surpreendente já que pais sob grandes pressões podem passar menos tempo com seus filhos ou serem menos efetivos nas questões educacionais. E filhos sem supervisão e limites fazem todo tipo de bagunça, incluindo as alimentares: comem fora de hora, cortam as frutas e vegetais, abusam dos carbohidratos, das frituras e das “fast foods”. Isso sem contar que pais estressados encorajam menos seus filhos a praticarem exercícios ou atividades físicas.

O estudo ressalta que dentre as estratégias preventivas para enfrentar o drama da obesidade infantil, com suas consequências físicas e psicológicas que se estendem para a idade adulta, nós devemos incluir a avaliação do estresse dos pais. É um jeito delicado de dizer que atrás de uma criança gordinha podem existir pais estressados que também merecem cuidados (Parks et al. Influence of stress in parents on child obesity and related behaviors.

Uol
 

Vida e Saúde