Vida e Saúde

Especialista defende emagrecimento sustentável

Atualizado em: 25/04/2014

dieta

dieta5

Em busca do corpo perfeito, muita gente apela para dietas e remédios que prometem resultados instantâneos. Especialistas apontam perigo na adoção de dietas super restritivas, que apresentam um fascinante poder de resultado, e destacam a importância da busca sustentável para a perda de peso e ganho de qualidade de vida.

dieta3

De acordo com a endocrinologista Lyz Helena Aires, não existe resultado imediato e tudo depende de mudança no estilo de vida. “Tem-se visto uma busca desenfreada por formas perfeitas conquistadas à curto prazo. Isso acaba gerando muitos problemas de saúde”, alerta a especialista do Hapvida Saúde.

dieta2

As dietas instantâneas apresentam riscos principalmente porque não são individualizadas. A endocrinologista destaca a importância de um trabalho nutricional bem elaborado diante da necessidade ou o desejo de emagrecer. “Em uma dieta é importante que seja levado em consideração todas características e as necessidades nutricionais de cada pessoa, de acordo com a idade, objetivo e peso”, lembra.

dieta4

Os riscos oferecidos pelas dietas da moda podem ser inúmeros, desde perda nutricional, sobrecarga dos rins e o efeito sanfona, quando o peso anterior é recuperado imediatamente. A longo prazo, as dietas podem causar anemia, irritabilidade, queda de cabelo, falta de vitaminas e até anorexia – disfunção alimentar caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar.

Mudança sustentável

Basicamente não existe milagre na conquista de uma melhor qualidade de vida. A mudança precisa ser sustentável, alerta Lyz Helena. “A perda de peso deve ser vista como uma consequência da mudança, buscando sempre hábitos saudáveis”, lembra.

dieta6

 

“A atividade física regular é importante no processo, assim como ter boas noites de sono e ter uma alimentação balanceada”, alerta a médica que também destaca a importância da busca por orientação de profissionais qualificados na busca pelo emagrecimento, como endocrinologistas, nutricionistas e profissionais de educação física.

Fonte:Assessoria

 

Vida e Saúde