Vida e Saúde

Enxaqueca cresce entre brasileiros e especialista alerta para riscos da automedicação

Atualizado em: 07/06/2017

unnamed

A enxaqueca é um mal que atinge muitos brasileiros, mais uma pesquisa realizada pela Academia brasileira de Neurologia (ABN) aponta que há um crescimento de pessoas com a doença e que a maioria se automedica, sem procurar orientação médica. Leia a matéria na integra, abaixo.

Enxaqueca cresce entre brasileiros e especialista alerta para riscos da automedicação

De acordo com a pesquisa da Academia Brasileira de Neurologia, das 2.318 pessoas entrevistadas, mais de 80% delas sofrem com crises e dispensam o acompanhamento médico; conheça os sintomas

 

Uma pesquisa realizada pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN) aponta que a enxaqueca está cada vez mais presente no dia a dia dos brasileiros. De acordo com o levantamento, entre as 2.318 pessoas que foram entrevistadas, mais de 80% afirmam sofrer com crises constantes de dores de cabeça e que, na tentativa de aliviá-las, ingerem remédios por conta própria, sem prescrição médica.

A enxaqueca é apenas um dos diversos tipos de dores de cabeça e, segundo a medicina, não há uma causa única para a dor, mas sim diversos fatores que podem desencadear uma crise, desde hábitos alimentares até exposição ao sol, por exemplo. As mulheres são as principais vítimas da doença, principalmente na sua fase reprodutiva – neste público em particular, as causas podem estar relacionadas às mudanças hormonais, período menstrual, uso de anticoncepcional e gravidez.

“Cerca de 25% das mulheres têm crise de enxaqueca e fator hormonal tem um peso muito grande. Para prevenir os sintomas, é importante a realização de atividades físicas, que aumentam a produção de serotonina. Além disso, uma alimentação leve ajuda a amenizar os sintomas e, principalmente em períodos de TPM, é indicado evitar alimentos processados, gordurosos, chocolates e adoçantes”, explica a ginecologista Wanicleide Leite.

Para a coordenadora de vendas, Rosália Meirelles, a enxaqueca é uma antiga companheira. Desde criança sofre com fortes dores e sempre teve sua rotina afetada pela doença, tendo que deixar de fazer atividades comuns do dia a dia. “Ultimamente, ando tendo crises fortes, que me fazem recusar convites de última hora, faltar no trabalho, sair mais cedo do escritório e voltar pra casa de táxi por não conseguir dirigir, pois me falta atenção visual e auditiva, nessas condições”, declara.

Diogo Aboud, médico neurocirurgião do Hapvida Saúde, explica que é importante identificar se as dores correspondem realmente a uma enxaqueca. Além disso, reforça a importância de um acompanhamento médico para o tratamento eficiente da doença.

“Existem vários tipos de dores de cabeça e a enxaqueca é apenas um deles. Ela é caracterizada por uma dor que lateja de um lado do crânio, na frente ou atrás. Geralmente pode alternar. Nestes casos, existe a aura, que é um aviso de que a enxaqueca está chegando. Ela pode ser uma alteração visual, quando o paciente enxerga alguns ‘chuviscos’, dormência ou fraqueza. É importante o acompanhamento médico, pois assim o médico poderá receitar um medicamento adequado para conter a crise logo quando surgirem os primeiros sintomas”, ressalta Aboud.

O especialista alerta que a automedicação pode desencadear problemas sérios de saúde e, ainda, outros tipos mais graves de dores de cabeça que são mais difíceis de tratar. “Toda medicação em longo prazo pode trazer problemas. Se feita de modo incorreto, sem prescrição médica, é ainda pior. A automedicação com analgésicos pode causar alterações do estômago e do rim e, também, outro tipo de dor de cabeça causada por intoxicação de analgésico, dificultando, desta forma, a eficácia de outros medicamentos para o tratamento dessa segunda doença gerada”, explica.  

Para a dor de cabeça constante, existem tratamentos com o uso prolongado de remédios, como a medicação profilática, indicada para quem sente dores mais que três vezes no mês.  Terapias alternativas, como acupuntura e o uso de toxina botulínica, também são alternativas quando os medicamentos tradicionais indicados já não funcionam. “Mas todo e qualquer tratamento sempre deve ser indicado e acompanhamento por um especialista”, enfatiza Aboud.

Conheça mais sintomas da enxaqueca

·       Crise de cefaleia durando de 4 a 72 horas, unilateral e pulsátil

·       Náusea

·       Vômitos

·       Bocejos

·       Irritabilidade

·       Sensibilidade à luz

·       Sensibilidade ao som

·       Sensibilidade ao movimento do corpo ou do ambiente

·       Tontura

·       Fadiga

·       Mudanças de apetite

·       Problemas de concentração, dificuldade para encontrar as palavras

Vida e Saúde