Vida e Saúde

Dor de cabeça e cólica atingem mais da metade das brasileiras

Atualizado em: 15/10/2014

dor de cabeça

A cólica menstrual e a dor de cabeça foram apontadas por 75% das brasileiras – entre 16 a 40 anos – como as dores mais comuns que elas sentem. O estudo foi realizado pelo Conectaí – IBOPE, em abril de 2014 com mil mulheres nesta faixa etária, nas principais capitais do país. Entre os dados, observou-se ainda que 76% das entrevistadas sofrem de cólica menstrual. Ao analisar este mesmo item, porém com aquelas que têm idade entre 16 e 24 anos, o incômodo é maior, atingindo 84% delas.

Especificamente no caso da dor de cabeça, os números mostram que 75% das mulheres são afetadas pelo problema e, novamente, as mais jovens são as que mais sentem esse tipo de dor (78%). Em termos gerais, 75% das brasileiras deixam de cumprir obrigações e 58% não fazem algo que gostam quando estão com dores. A pesquisa indica também que para 59% das entrevistadas a cólica menstrual é acompanhada de dor de cabeça e, para 46% delas, de dor nas costas. Apesar disso, 69% consideram que são males que devem ser combatidos e 16% das entrevistadas acreditam que é algo que elas devem conviver normalmente. Segundo o estudo, notou-se também que para 66% das entrevistadas, a cólica menstrual é recorrente e mensal; sendo forte ou extremamente forte para 61% delas. Quando se trata de dor de cabeça, o cenário não muda tanto: 56% a sentem pelo menos uma vez por semana, sendo forte ou extremamente forte para 49%.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a cefaleia – nome científico para a dor de cabeça – é algo comum. A instituição afirma que 90% da população adulta mundial sofre, eventualmente, com algum tipo de dor de cabeça, considerando-a, muitas vezes, como normal. Já a TPM (tensão pré-menstrual) é um conjunto de sintomas físicos e psicológicos que pode alterar a qualidade de vida da mulher. Neste caso, os principais sintomas físicos que as mulheres costumam sentir são dores nos membros inferiores, nas mamas (mastalgia), nas costas e lombar, bem como fadiga. Os sintomas psicológicos mais comuns são irritabilidade excessiva, nervosismo e instabilidade emocional. No caso da TPM, mudar a alimentação e hábitos ajuda a minimizar estes desconfortos.

Fonte:MSN

Vida e Saúde