Vida e Saúde

Dicas importantes para quem decidiu colocar prótese nas mamas

Atualizado em: 13/07/2012

Não é novidade que o Brasil se tornou um dos países que mais realizam cirurgias plásticas do planeta. Segundo The Economist (revista semanal inglesa), o país ocupa a segunda colocação com 1.592 milhão de procedimentos em 2011, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (1,6 milhão). De acordo com a última pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) em 2010, alterações na mama é a segunda intervenção mais procurada pelas mulheres, perdendo apenas para a lipoaspiração.

Motivadas por questões de saúde ou por vaidade, as mudanças estéticas devem ser planejadas com cautela e bom senso. Para o cirurgião plástico Thiago Cavalcanti, a ansiedade pelo “corpo perfeito” pode ser o grande inimigo das pessoas que procuram se submeter a esses procedimentos: “A colocação de prótese de silicone nas mamas é uma cirurgia muito simples, sem grandes complicações, no entanto, do ponto de vista técnico, sua execução é formada por diversos detalhes. Por esses motivos, ela deve ser realizada por um profissional altamente qualificado, e em um local capaz de atender todas as necessidades do médico e do paciente”.

Apesar de diversas informações serem repassadas pela mídia insistentemente, algumas pessoas que sonham em mudar o corpo costumam “pular” etapas importantes, e com isso, podem prejudicar o resultado final do procedimento. O médico lembra que o detalhe mais importante de todo processo é a escolha do cirurgião.

Veja alguns passos que devem ser dados no caso de uma cirurgia para a colocação de silicone nas mamas:

1. Escolha um especialista habilitado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Segundo o médico, a inclusão do cirurgião na SBCP é uma garantia de que o profissional se capacitou para realizar esse tipo de procedimento. No caso de Thiago Cavalcanti, ele fez especialização na escola do mundialmente conhecido Ivo Pitanguy, além de periodicamente participar de encontros, seminários e cursos para saber as últimas novidades da área.

A busca pode ser feita através do site www.cirurgiaplastica.org.br, que dará informações sobre o número do CRM, o endereço da clínica que atende e telefones de contato.

2. Além dessa pesquisa básica, busque mais informações sobre o médico

Perguntar para amigos e parentes é sempre uma ótima ideia. As experiências vividas por outros pacientes podem ajudá-la na decisão de escolher o profissional. Procure saber se o médico é especialista neste tipo de cirurgia, que formação profissional ele teve, se ele freqüenta congressos ou ministra palestras sobre a cirurgia em questão.

3. Certifique-se de que o hospital é bem equipado

Após decidir quem será o profissional, veja o local que será realizada a cirurgia. Para o médico, Thiago Cavalcanti, “é preciso ter em mente que a plástica é uma cirurgia, e deve ser encarada como tal”. Ele alerta que o procedimento seja realizado em um hospital com CTI e banco de sangue.

4. Siga à risca as orientações do pré-operatório

A plástica não começa na mesa de cirurgia, o pré-operatório é uma etapa que deve ser seguida com rigor para evitar sustos na realização do procedimento. No caso da plástica de mama, é necessária a realização de exames de sangue, e também avaliação da mama com uma mamografia ou ultrassom, além de suspender o uso de medicamentos que interferem na coagulação sanguínea e aumentam o risco de trombose, como o ácido acetilsalicílico e o anticoncepcional. O cigarro também deve permanecer longe, tanto no pré, quanto no pós-operatório.

5. Leve para o hospital o sutiã cirúrgico

Um item obrigatório que deve ser levado para a sala de cirurgia é o sutiã cirúrgico. O modelo é feito de elastano, com o fechamento na parte da frente, ou então em faixa deve ser colocado já no pós-operatório. .

6. Esqueça o implante da moda, da famosa ou da sua amiga

Na maioria das vezes, a pessoa escolhe um tamanho similar ao de alguém que acha bonito. É comum a frase: “Quero ter os seios de fulana de tal”. Apesar do “sonho”, será durante a conversa com o médico que você saberá se o tamanho desejado é o ideal.

Para garantir a harmonia, os médicos mais antenados utilizam um software que reproduz em 3D como ficará os seios após a cirurgia. Segundo Dr. Cavalcanti, “a partir de fotos da própria paciente é possível escolher a melhor posição para a colocação do silicone, e optar pelo melhor modelo e tamanho das próteses. Com essa nova tecnologia conseguimos impedir os impulsos por seios grandes, que podem prejudicar as mamas causando uma distensão da pele e estrias, além de não obterem nenhum ganho estético”.

7. Saiba detalhes sobre o pós-operatório

Por ser um procedimento invasivo, a cirurgia irá resultar em algumas reações. Inchaço e áreas levemente doloridas são alguns dos sintomas do pós-operatório. O repouso relativo é de três dias. A cirurgia costuma evoluir com uma recuperação bastante rápida e cada médico tem uma conduta para liberar o retorno às atividades de acordo com o caso.

Fonte: da Redação

Vida e Saúde