Vida e Saúde

Dia Mundial do Rock: Janis Joplin, Rita Lee, Evanescence, Cássia Eller…

Atualizado em: 13/07/2012

Nesta sexta-feira, 13, comemora-se o Dia Mundial do Rock. Em 1985, Bob Geldof organizou o Live Aid, um show simultâneo em Londres, na Inglaterra e na Filadélfia, nos Estados Unidos. O objetivo principal era o fim da fome na Etiópia e contou com a presença de artistas como The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, Joan Baez, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins (que tocou nos dois lugares), Eric Clapton e Black Sabbath.

Foi transmitido ao vivo pela BBC para diversos países e abriu os olhos do mundo para a miséria no continente africano. 20 anos depois, em 2005, Bob Geldof organizou o Live 8 como uma nova edição, com estrutura maior e shows em mais países com o objetivo de pressionar os líderes do G8 para perdoar a dívida externa dos países mais pobres erradicar a miséria do mundo.

No Live 8 o Grupo de Rock Britânico Pink Floyd tocou junto, depois de 20 anos de separação. Então o dia 13 é conhecido como o Dia Mundial do Rock

Você conhece algumas mulheres que marcaram a história do Rock Mundial?

Janis Joplin – Grande sucesso dos anos 60, até hoje é considerada a rainha do rock and roll. Foi uma das primeiras artistas a mostrar que uma mulher pode levar potência e atitude para o gênero. Morreu aos 27 anos, de overdose.

The Runaways – A banda de rock, toda formada por mulheres, durou apenas de 1975 a 1979, mas fez história. Joan Jett, à frente da Blackhearts, e Lita Ford seguem carreira até hoje.

The Pretenders – Chrissie Hynde tornou-se vocalista e guitarrista da banda na década de 1970, época em que as mulheres ganharam mais espaço e destaque no cenário roqueiro.

Nightwish – A banda finlandesa de metal sinfônico tinha a vocalista Tarja Turunen como seu principal rosto. Em 2007, ela foi substitúida por Anette Olzon.

Evanescence – A vocalista Amy Lee fundou a banda de metal em 1995, juntamente com Ben Moody.

Paramore – A banda americana de rock alternativo é liderada pela vocalista Hayley Williams.

Veja algumas brasileiras que também deixaram a sua marca:

Rita Lee – Grande estrela do rock brasuca, ela é mãe, tia, avó, sempre será o grande nome, um ícone. São mais de 45 anos de carreira iniciadas lá nos anos de 1960, quando junto com os irmãos Arnaldo e Sérgio Batista, fizeram uma das melhores bandas do mundo: Os Mutantes, que tocaram o “terror” no cenário musical naquela época. Dona de uma voz grave, potente, despretensiosa, irreverente e inconfundível, suas músicas são irônicas, românticas, reflexivas, despretensiosa e sem frescuras.

Fernanda Abreu – Antiga backin´vocal da banda de maior sucesso na década de 1980, Blitz, Fernanda Abreu desligou-se da banda em meados do fim da década e partiu para carreira solo, misturando pop com rock, com samba, com funk carioca.

Celly Campello – A pioneira do rock feminino no Brasil, ainda na época da Jovem Guarda, Celly é considerada o grande nome do rock naciona. Entre os seus sucessos, Banho de Lua, Estúpido Cupido, Broto Certinho e Laçinhos Cor-de-Rosa.

Fernanda Takai – A líder do Pato Fu, banda que alcançou o sucesso em 1993, é dona de uma bela voz clássica e aveludada. Faz sucesso no pop, no rock e na MPB.

Paula Toller – A abelha rainha da banda Kid Abelha possui uma voz melosa, calma, doce, gostosa e super sexy.

Cássia Eller – Sem máscaras, deixava sempre sua rebaldia prevalecer, apesar de muito tímida, ficava ainda mais poderosa no palco. Uma grande voz, uma irresistível pegada roqueira e rebelde, fã de Renato Russo e Cazuza, se espelhava neles, sem perder sua identidade. Cássia não tinha pudor no palco, era intensa com atitudes rock ´n´roll.

Pitty – Roqueira, baiana, ex-punk, Pitty e sua banda despontaram em 2003 e não mais pararam. Considerada a revelação da nova geração de roqueiros, possui uma grande atitude no palco, uma voz potente, afinada e madura, além de um sex appeal à flor da pele.

Fonte: da Redação

Vida e Saúde