Vida e Saúde

Descubra o pH da sua pele e escolha os cosméticos certos

Atualizado em: 10/06/2015

pele-oleosa

Aula de ioga, sessões de terapia, retiro espiritual. Essas são algumas manobras que colocamos em prática para alcançar uma das metas mais complexas da vida: o equilíbrio.

O que nem imaginamos é como esse balanço se relaciona com a aparência do nosso rosto. As funções da pele (e também como ela se parece) alcançam o seu estado ideal quando se encontram no meio do caminho. Perturbar o balanço do pH – ao usar produtos não indicados para você e ao comer os alimentos errados – fará sua epiderme enviar a mensagem de que não está sendo bem tratada… via rugas, inflamação, sensibilidade excessiva ou acne. É a prova de que a frase “pH balanceado” realmente faz sentido – e não é só marketing!

Em caso de você ter cochilado na aula de química – ou simplesmente ter apagado da memória, vamos explicar: introduzido no início do século 20, o termo pH foi definido para designar “potencial hidrogeniônico”, usado para descrever a relação ácido-alcalina de uma substância, cuja numeração vai de 0 (o mais ácido) a 14 (o mais alcalino). Por que isso faria algum sentido para você? Porque a saúde do seu corpo – e da sua pele – está ligada à manutenção do balanço ideal entre acidez e alcalinidade.

“A barreira da pele, conhecida como manto hidrolipídico, é responsável por manter os lipídios e a umidade enquanto bloqueia germes, poluição e bactérias”, explica a dermatologista americana Patricia Wexler, de Nova York, nos EUA. Para desempenhar bem a função, o manto hidrolipídico deve estar ligeiramente ácido, em pH 5.5. Quando a pele se encontra muito alcalina, fica ressecada e sensível, o que pode levar até ao aparecimento de eczema (coceira). “Também é possível que a situação desencadeie um processo inflamatório, que inibe a habilidade da pele de repelir metaloproteinases da matriz (MMPs), enzimas que destroem o colágeno e causam rugas e flacidez.”

Segundo um estudo publicado no periódico British Journal of Dermatology que monitorou a pele de mulheres durante oito anos, aquelas com um estrato córneo (a camada mais externa) alcalino desenvolveram maior quantidade de linhas finas e de pés de galinha – e estiveram mais propensas aos danos dos raios solares – do que aquelas de pele ácida.

Ainda que seja raro encontrar uma pele totalmente ácida, geralmente ela está ligada a um quadro exagerado de acne. Quando a pele fica muito ao sul do número mágico 5.5, ela também se torna propensa a vermelhidão, inflamação e até à sensação de dor ao toque. “Adequar o pH da pele fará com que ela absorva melhor os ativos dos produtos”, afirma a dermatologista Marcia Pontes, do Rio de Janeiro, diretora da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. “O que levará a resultados mais expressivos e à economia de dinheiro.”

Fonte: Women’s Health

Vida e Saúde