Vida e Saúde

Depilação íntima não é contraindicada, mas requer cuidados

Atualizado em: 19/03/2012

Não é novidade que a depilação íntima é uma tendência que se espalha rapidamente e conquista novas adeptas. Entretanto, o procedimento realizado de forma incorreta contribui para danificação cutânea e provoca futuros problemas e desconfortos como a irritação da pele com o uso de cremes depilatórios, alergias, a foliculite (inflamação da raiz do pelo) e a furunculose (infecção bacteriana).

Segundo Dra. Lilian Estefan, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a prática não é contraindicada, desde que sejam levados em conta alguns fatores como a escolha de um estabelecimento que utilize apenas materiais descartáveis, a higienização adequada da região, além de se respeitar a textura da pele, o formato do pelo, a cor e a sensibilidade. “Antes de depilar, é fundamental limpar o local com um sabonete antisséptico para evitar o risco de infecções bacterianas”, diz.

No método da depilação com cera, os hábitos higiênicos não devem ser ignorados, a começar pela própria cera, que não deve ser reutilizada, pois é um meio de contaminação de bactérias. Se a pele apresenta algum ferimento, a cera pode penetrar no local por meio de pequenos cortes e se a depilação ocorrer de forma agressiva, a pele pode sangrar. Já as mulheres que apresentam um indicativo de pelos encravados precisam redobrar a atenção.

A prática com o laser é o procedimento mais eficaz e, geralmente, são necessárias de três a cinco sessões para a eliminação total dos pelos. O procedimento é o único dentre as opções que remove completamente os pelos e também resolve o problema dos encravados. O ideal é realizá-lo em um consultório médico, pois, se a energia do aparelho ultrapassar o limite aceitável, a pele pode sofrer queimaduras, especialmente entre as mulheres negras. “O laser pode danificar a pele mais escura e, por isso, o dermatologista é o profissional indicado para esses casos e, atualmente, já existem várias opções para esta condição, tanto para minimizar a dor quanto para não agredir a pele negra”, explica a médica.

Para aquelas que não suportam a dor, os cremes depilatórios e as lâminas são as opções recomendadas. No entanto, o uso incorreto do creme pode culminar em irritação da região enquanto que o uso da lâmina de barbear é indicado para mulheres com pelos finos, pois este método remove uma camada natural de gordura que funciona como proteção cutânea que aumenta as chances do desenvolvimento da foliculite. “Para evitar este problema, uma dica é raspar os pelos sempre na direção em que eles nascem”, ressalta a Dra. Lilian.

Depilação segura

Uma vez que as brasileiras são referência neste quesito, alguns hábitos auxiliam e previnem doenças. Assim, a dermatologista faz algumas recomendações:

  • Mantenha a pele sempre hidratada;
  • De preferência, durma sem calcinha para ventilar a região; se não for possível, escolha as de algodão
  • Faça uma esfoliação na pele uma vez por semana para evitar o crescimento de pelos encravados;
  • Após o procedimento, evite a exposição ao sol para não provocar manchas na pele e procure utilizar produtos com propriedades calmantes;
  • Não use roupas apertadas para não irritar a pele.

Saúde em pauta

Vida e Saúde