Vida e Saúde

Copinho plástico: 3 riscos que ele oferece à sua saúde e você nem imagina

Atualizado em: 10/04/2015

copo-plastico-4

Algumas substâncias prejudicam a saúde sem que você se dê conta. Que mal há, por exemplo, em tomar um café quentinho em um copo de plástico? Esse e outros objetos feitos do material apresentam risco relacionado ao câncer e à infertilidade. Entenda a seguir.

 

Substâncias liberadas pelo plástico

Xenoestrogênios

O médico especialista em reprodução humana Maurício Chehin, da clínica Huntington, explica que um xenoestrogênio é qualquer substância cuja ação no corpo é se acoplar a um receptor de estrogênio. “Eles estão presentes na poluição, nos cosméticos, nos agrotóxicos, na carne bem passada que fica com a superfície escurecida, e até no plástico de recipientes plásticos e copos descartáveis”, explica. Em consequência, eles acabam fazendo efeitos parecidos com o do hormônio sexual no corpo humano e os resultados nem sempre são bons para a saúde.

Bisfenol A

Há um interesse especial pelo xenoestrogênio presente no plástico dos recipientes para alimentação, que podem ser ingeridos e ter seus efeitos aumentados. Nesse caso, o nome dado ao xenoestrogênio é Bisfenol A. “Sabe-se que ele tem um efeito negativo sobre a saúde, o que ainda é um mistério é qual quantidade da substância o causa”, explica Maurício.

Ele se solta para as comidas e bebidas quando o plástico é aquecido, o que ocorre quando você coloca um pote para guardar alimento (tipo tupperware) no micro-ondas, bebe a água da garrafa que você esqueceu no carro ou coloca café quente no copinho plástico.

Doenças causadas

Câncer

O especialista explica que alguns tipos de câncer são dependentes de estrogênio, o que significa que o aparecimento está relacionado aos níveis desse hormônio no corpo. Esse é o caso do câncer de mama, que pode ser influenciado pela presença do xenoestrogênio Bisfenol A no organismo. Maurício Chehin lembra que não se sabe qual quantidade da substância pode estar relacionada à doença.

Infertilidade

A relação dos xenoestrogênios com a infertilidade ainda não está bem estabelecida, mas é possível que a substância, que faz efeitos parecidos com os do hormônio sexual estrogênio, altere a ovulação e diminua a fertilidade. O efeito seria causado pelo excesso da ação hormonal, capaz de provocar um distúrbio da ovulação.

Na gravidez

“Outra possibilidade é que o xenoestrogênio passe pela placenta e altere o funcionamento dos órgãos do feto”, explica Maurício Chehin. “Os meninos nascem sadios, mas podem ficar inférteis no futuro por causa de um dano na produção de espermatozoides”. Ainda não há indícios de que a exposição ao xenoestrogênio no útero possa causar câncer tardio.

Como evitar os riscos

Para impedir que a substância se solte do plástico e seja ingerida, o ideal é procurar mamadeiras com a indicação “livre de BPA”. A mesma inscrição pode ser achada em alguns potes plásticos usados para guardar alimento. Também vale tomar o cafezinho em xícaras de porcelana, não aquecer os alimentos em recipientes de plástico e não beber a garrafa de água que você esqueceu no carro ou em outro local quente.

Fonte: Da Redação com Bolsa de Mulher

Vida e Saúde