Consumo de cocaína no Brasil dobrou em seis anos, diz ONU

Qual corte fica melhor para o seu formato de rosto?
28 de junho de 2013
Malbec Absoluto nasce de ingrediente nobre para agradar homens poderosos
28 de junho de 2013

Consumo de cocaína no Brasil dobrou em seis anos, diz ONU

 O consumo de cocaína dobrou no Brasil no prazo de seis anos, enquanto em outras partes do mundo o uso dessa substância está caindo, afirma o Relatório Mundial sobre Drogas 2013 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), divulgado nesta quarta-feira (26).

Segundo a agência da ONU, o consumo de cocaína no Brasil aumentou 'substancialmente' e atingiu 1,75% da população com idade entre 15 e 64 anos em 2011 — ante 0,7% da população em 2005.

Os dois principais mercados para a cocaína, a América do Norte e a Europa, registraram uma diminuição no consumo da droga entre 2010 e 2011, diz o relatório. A redução é de 0,1 ponto percentual nessas regiões.

Na América do Sul o uso de cocaína, que atinge 1,3% da população, também diminuiu ou se manteve estável em muitos países, afirma a UNODC.

Mas no Brasil "houve um aumento substancial que é óbvio o suficiente para refletir-se na taxa de prevalência regional em 2011", afirma a ONU.

Segundo a assessoria de imprensa da UNODC, "esse crescimento no Brasil pode ser atribuído em parte ao aumento da preferência pelo uso da cocaína especialmente por jovens de centros urbanos, como também à maior disponibilidade da droga ligada ao aumento do tráfico via os países do Cone Sul".

Perigo dos 'euforizantes'

O relatório sobre drogas também revela que o número de Novas Substâncias Psicoativas (NSP), vendidas legalmente como 'euforizantes', aumentou em mais de 50% em apenas dois anos e meio e se tornou um 'problema alarmante'.

O total dessas Novas Substâncias Psicoativas (ou Novos Produtos de Síntese) passou de 166 no final de 2009 para 251 em meados de 2012, ultrapassando pela primeira vez o número de substâncias sob controle internacional, que é de 234.

Essas novas "drogas de síntese" ou "euforizantes legais", vendidos geralmente pela internet, "estão se proliferando em um ritmo sem precedentes e criando desafios jamais vistos em termos de saúde pública", diz a UNODC.

Segundo a agência da ONU, países em quase todas as regiões do mundo, incluindo o Brasil, identificaram o surgimento dessas novas substâncias.

— As NSP também avançaram na América Latina, apesar de o consumo nessa região ser inferior ao registrado na América do Norte ou na Europa.

As NSP identificadas na América Latina incluem a quetamina (anestésico para animais) e substâncias à base de plantas, como a Salvia Divinorum (ou 'erva divina', uma espécie de sálvia que provoca efeitos alucinógenos, proibida no Brasil no ano passado).

Os Estados Unidos são o país que reúne o maior número de NSP: 158 foram identificadas no ano passado, mais do que o dobro do registrado na União Europeia, onde o consumo se concentra na Grã-Bretanha, Polônia, França, Alemanha e Espanha.

De acordo com a agência da ONU, as NSP, vendidas livremente e que não sofreram testes de controle, 'podem ser muito mais perigosas do que as drogas tradicionais'.

— Elas são vendidos como euforizantes legais, termo que permite subentender que seu consumo não é nocivo, mas a realidade é diferente. Para enganar as autoridades, os fornecedores recorrem a métodos de vendas e publicidades agressivas e dão às substâncias nomes de produtos do cotidiano relativamente inofensivos, como sais de banho, incensos de plantas e miau-miau.

Para a UNODC, isso induz os jovens a pensar "que eles podem se divertir com poucos riscos".

— A infinidade de novas substâncias psicoativas e a velocidade com a qual elas têm surgido em todas as regiões do mundo são uma das tendências mais marcantes nos mercados de drogas nos últimos cinco anos.

Remédios

Outro problema apontado pelo estudo é o abuso de remédios com receita médica, geralmente associados com substâncias ilegais, que "continua problemático".

— O uso indevido de sedativos e tranquilizantes é particularmente preocupante, considerando-se que mais de 60% dos países analisados no relatório indicam que esses remédios fazem parte dos três tipos de substâncias consumidas com maior frequência.

O relatório ressalta ainda que, de maneira geral, o consumo de drogas no mundo se manteve estável em 2012.

— O aumento do número estimado de usuários é atribuído, em grande parte, ao crescimento da população mundial.

BBC Brasil

Dani Rabelo
Jornalista do WSCOM Online, sócia e editora-chefe do Portal Mulher de Fato, cantora nas horas vagas, tagarela, observadora, carioca da gema e pessoense de coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *