Vida e Saúde

Bulimia pode causar parada cardíaca e levar à morte, alerta especialista

Atualizado em: 18/09/2013

bulimia

 Preocupação excessiva com o corpo e o medo enorme de ganhar peso são apenas alguns dos motivos que provocam a bulimia. Marcado pela compulsão excessiva por comida e provocação do vômito, o distúrbio alimentar que atinge 2% da população pode provocar graves problemas de saúde, de acordo com os especialistas ouvidos pelo R7.

Segundo a psiquiatra Fátima de Vasconcellos, da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), a bulimia pode provocar anemia, alterações no batimento cardíaco e fraqueza muscular.

— Além disso, a pessoa poderá sofrer com pressão baixa, dores no estômago, úlcera, fadiga, irritação do esôfago, lesão do esmalte dos dentes e pele seca.

De acordo com a endocrinologista Maria Tereza Zanella, professora de endocrinologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a bulimia é diagnosticada quando a pessoa come compulsivamente três vezes por semana ou mais.

— Após um episódio compulsivo, a pessoa provoca o vômito, usa laxantes, diuréticos ou faz exercícios compulsivos e intensos para eliminar toda a comida que foi consumida em um espaço curto de tempo. Esses mecanismos ‘livram’ o bulímico das sensações de vergonha e culpa.

Além dos problemas gástricos e de perda de pressão, a especialista alerta que sem o tratamento correto a pessoa poderá até morrer.

— Com o avanço da doença, o bulímico pode vir a sofrer de desidratação intensa e grande perda de potássio, provocando uma parada cardíaca súbita.

Dificuldades de relacionamento

Além do culto à magreza com sinônimo de saúde e beleza, a psiquiatra explica que a separação dos pais, ansiedade, mudança de escola e cidade também podem levar ao transtorno alimentar.

— Problemas de obesidade na infância e perdas em geral são fatores que também levam ao desenvolvimento do distúrbio.

Tratamentos

Ao diagnosticar o quadro de transtorno alimentar, o paciente deve procurar ajuda psiquiátrica. De acordo com Fátima, a bulimia é essencialmente um problema mental e necessita de uma equipe multiprofissional (psiquiatra, endocrinologista e nutricionista) para lidar com os aspectos específicos da doença.

— O tratamento envolve o uso de medicamentos psiquiátricos para diminuir a ansiedade, depressão e impulsividade.

Segundo a psiquiatra, a participação da família é essencial. Dependendo da duração e evolução da doença, a recuperação pode levar anos, pois um dos maiores desafios é resolver a alteração da imagem corporal que está distorcida na paciente.

— A bulimia pode ser controlada a partir de tratamentos eficazes. A taxa de recuperação gira em torno de 42% a 47%.

Quando a restrição alimentar e a perda de peso aumentam, o paciente pode entrar em um quadro de anorexia. Neste caso é recomendada a internação em um hospital geral ou uma clínica psiquiátrica para uma recuperação progressiva da doença.

R7

Vida e Saúde