Atenção com as falhas no ciclo mnestrual

Anne Hathaway receberá prêmio de estilo em 2013
26 de dezembro de 2012
Shiseido sugere três makes para o verão 2013
27 de dezembro de 2012

Atenção com as falhas no ciclo mnestrual

Falha no ciclo menstrual ou até mesmo atrasos contínuos quer dizer que há algo de errado com a saúde de seu corpo. A ausência regular de menstruação é chamada de amenorréia, classificada em duas categorias: primária e secundária. "O primeiro caso é aquele em que a mulher nunca menstruou, geralmente detectada após os 14 anos.

No segundo episódio, mais comum, a mulher apresenta carência de menstruação durante três meses consecutivos ou mais", explica a ginecologista Elaine Vieira.
Foi o que aconteceu com a professora, Julia Ferreira, 28 anos. "Minha menstruação atrasou cinco meses, eu pensei que estava grávida. Consultei um médico e descobri que estava com amenorréia", conta a professora.

Segundo a ginecologista, 10% das mulheres apresentam amenorréia secundária, principalmente aquelas que praticam exercícios físicos excessivos, dietas bruscas ou ingerem hormônios masculinos. No entanto, muitas confundem pequenos atrasos da menstruação com o problema. "É normal ter até três ciclos menstruais irregulares ao ano. Isso não é doença", tranqüiliza Elaine. Entretanto, quando a falha ultrapassa os três meses, é importante que a mulher procure o médico e faça alguns exames diagnósticos.

Estresse, menopausa precoce e desvios hormonais estão entre as causas principais da amenorréia. A conhecida Síndrome de Ovários Policísticos (pequenos cistos no ovário) distúrbios da hipófise (glândula cerebral responsável pela prolactina, substância produtora do leite materno) também estão ligadas. "Deve-se, portanto, entender a amenorréia não como uma doença, mas um sintoma, sinal de algum problema que deve ser descoberto", esclarece a ginecologista.

Tratamento

O tratamento varia conforme o desejo da paciente. "Além da orientação psicológica, nos casos de estresse, pode ser feito tratamentos com hormônios, para induzir a ovulação e possibilitar a gravidez. Cirurgias, nesse caso, são menos freqüentes", diz Vieira.

A ginecologista lembra que antes de começar são necessários exames de avaliação hormonal, ultra-sonografias variadas e, eventualmente, tomografias cerebrais, quando o

médico desconfiar de que a causa está vinculada a problemas no sistema nervoso central. "O importante é não se amedrontar", aconselha a médica.

Mais Equilíbrio

Dani Rabelo
Jornalista do WSCOM Online, sócia e editora-chefe do Portal Mulher de Fato, cantora nas horas vagas, tagarela, observadora, carioca da gema e pessoense de coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *