Vida e Saúde

Artista paraibana mistura fotografia, performances e projeções em Exposição

Atualizado em: 02/05/2012

Para os amantes da fotografia, ou para aquelas pessoas que nunca tiveram a oportunidade de ver uma mostra do gênero, até o dia 12 de maio acontece a exposição ‘Prazer, Talita Paz’, que faz parte do Projeto Jovens Talentos da Paraíba da Aliança Francesa. A visitação acontece de segunda até sexta-feira, das 8h às 12h e 13h30 às 17h30, e aos sábados das 9h às 12h e 13h30 às 16h30, na sede da Aliança Francesa, em João Pessoa.

Na sua primeira exposição individual, Talita Paz, explica que as fotos são um “auto-retrato, que ao invés de falar do mundo que sou, busquei simplesmente focar na sensualidade, na intimidade do toilet e a auto-estima em frente ao espelho. Nela também mostro um pouco do que é a dança pra mim e como ela mexe com a gente, assim, teremos em algumas fotografias a participação de amigos e professores de dança que estarão representando todos que amam a dança e a liberdade, bem como a sensualidade e a intimidade que ela nos proporciona de diversas formas”.

No espaço da Aliança Francesa, a artista ocupou o espaço de diferentes formas, incluindo performance de dança (um zouk dançado por um casal), projeções de fotos e uma instalação que representa um banheiro que possibilita a interação com o público. De acordo com o curador da exposição, Dyógenes Chaves Poesia, “dança, instalações (…) a arte de Talita Paz transcende a forma e a linguagem para nos oferecer um caleidoscópio que, em conjunto, nos narra a sua vida e a sua percepção dela”.

Sobre a artista

Talita Paz vive e trabalha na cidade de João Pessoa. Graduada em Artes Visuais pela UFPB (2009), esta é a sua primeira exposição individual, sob a curadoria do artista e crítico Diógenes Chaves.

Sobre os seus primeiros contatos com as artes, ela explica que a mãe fazia Educação Artística na UFPB: “Ela sempre me levava pras aulas com ela, eu era a mascote, a cantora mirim nas aulas de música, a atriz nas aulas de teatro e a modelo das aulas de desenho, e geralmente passava muitas das aulas desenhando os colegas de turma da minha mãe. Sempre tive materiais artísticos à minha volta, e sempre experimentava tudo sem restrições e amava tudo aquilo e suas possibilidades criativas. Assim, além de designada eu estava e ainda sou e estou fascinada pela arte e todas as suas vertentes, onde estou imersa até hoje nelas”.

Sobre a chegada da fotografia na sua vida, Talita confessa que foi algo que sempre quis fazer.  “Ganhei minha primeira câmera com sapata e flash aos sete anos, e ainda tenho. Era de cor amarelo-limão. Como minha família ainda não tinha condições de bancar minha estadia fora de João Pessoa, optei por fazer Educação Artística no Campus I da UFPB. Eu sabia como era o curso, e sabia que agora com mais idade eu poderia tirar melhor proveito de cada disciplina oferecida, e assim o fiz. Mas não deixei de estudar e correr atrás da fotografia que sempre foi meu foco, embora eu nunca tenha deixado de lado as outras artes que fazia, como o canto coral”, explicou.

Questionada sobre o espaço destinado aos jovens artistas, ela diz que existem, porém, são poucos: “Poucos são os lugares que realmente se importam, que valorizam os artistas e os trabalho expostos por estes, poucos têm o cuidado com a melhor apresentação das obras. Falo isto para os ‘Novos Artistas’, pois para os já conhecidos a história e as pompas são outras. Quem é do meio sabe como funciona, infelizmente. Enfim, é lógico que há as exceções, como falei, são poucas, mas existem e são de extrema importância e de grande valor para todos nós ‘novos’, pois só assim temos a oportunidade de compartilhar nosso talento, habilidade, criatividade, experimentações e dons. Isso é que é o lega: novas propostas e novas possibilidades”.

Suas influências passam por Amenemar Tenório, Flávio Tavares, Elíéser Filho, Miguel dos Santos, Cristina Strapação, Florismar Gomes (Flô), Silvino Espínola, Jacqueline Lima, Maximiano Fernandes, Sheilla Fadja, Danielle Calaço, Roncalli Dantas, Américo, Marta Penner, Diógenes Chaves, Sidney Azevedo, Shiko, Vitor Diniz, Eleonora Montenegro, Wilson Figueiredo, Paulo Aurélio (Paulão), Cácio Murilo, Julio Fontes, Almir Xavier, Ricardo Peixoto, Edu Costa, David Ribeiro Alexandre (setuza), Roberto Mendonza, Leonardo Aires, Eduardo Vieira, Eugra Souto, Eduardo Moura, entre muitos outros artistas, musicistas, teatrólogos, fotógrafos e dançarinos da atualidade. Quanto aos estilos preferidos, no que diz respeito ao desenho e à fotografia, ela finaliza dizendo: “Me envolvo muito com pessoas, a simplicidade, os sentimentos, as sensações, a sensualidade e o erotismo, a estima por si mesmo, os conflitos pessoais, o romance e a mistura de tudo, a contemporaneidade”.

Com informações da Assessoria

Vida e Saúde