Altos índices de sobrepeso e obesidade entre menores de cinco anos

Bolsa de mulher tem mais bactérias que banheiro público
13 de junho de 2015
Fibromialgia pode afetar relacionamentos, alerta médico
14 de junho de 2015

Altos índices de sobrepeso e obesidade entre menores de cinco anos

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a obesidade é um problema crescente na infância, chegando a atingir entre 25 a 30% da população infantil nos países ricos. Ela tem sido atribuída principalmente a fatores ambientais e socioculturais, tais como o incentivo a uma dieta pouco saudável, com alta proporção de gorduras, e a uma atitude sedentária. Na pesquisa, “Prevalência dos Fatores de Risco da Obesidade Infantil nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) do Município de Maringá – Paraná”, pesquisadores do Centro Universitário de Maringá (Cesumar) explicam que os distúrbios relacionados ao peso que incidem durante a infância são responsáveis por graves consequências para indivíduos e comunidades.

O grupo identificou os fatores de risco para obesidade infantil em crianças dos Centros Municipal de Educação Infantil do município de Maringá (PR). Participaram da pesquisa 229 crianças de zero a cinco anos. Entre os meninos, 15,31% apresentavam sobrepeso e 19,81% eram obesos. As taxas de sobrepeso e obesidade entre as meninas foram 16,95% e 11,86%, respectivamente.

O estudo, publicado nos Anais Eletrônicos da sétima edição do Encontro Internacional de Produção Científica (EPCC) Cesumar, destaca que 33,63% das crianças foram desmamadas com menos de seis meses. De acordo com os autores, isto pode trazer sérios problemas de saúde, já que o aleitamento materno é de extrema importância para a saúde da criança. Além disso, eles citam uma pesquisa que concluiu que as crianças que receberam aleitamento materno por tempo inferior a quatro meses apresentaram prevalência de sobrepeso maior do que aquelas que foram amamentadas por quatro meses ou mais.

A obesidade, se não controlada ou tratada o mais cedo possível, causa graves problemas de saúde, pois traz complicações articulares, cardiovasculares, endócrino-metabólicas, neoplásicas, respiratórias, gastrointestinais, influencia no crescimento e desenvolvimento da criança, além de causar danos psicossociais.

Agência Notisa (morgueFile free photo)

Cristiani Meller
Cristiani Meller, Analista Financeira e Gerente Comercial do Portal Mulher de Fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *