Vida e Saúde

Aliado da saúde, azeite é ingrediente principal na gastronomia

Atualizado em: 07/02/2015

azeite2

azeite1

Usado em temperos, marinadas, frituras, refogados e até mesmo em sobremesas, o azeite de oliva traz inúmeros benefícios para a saúde de toda a família. A verdade é que o azeite está na lista dos itens mais versáteis da gastronomia, sendo capaz de transformar e criar a identidade de um prato.
Segundo o chef do restaurante Tasca da Esquina, Vítor Sobral, o azeite é essencial na produção dos pratos, sendo um produto chave de muitos preparos. “A gordura é fundamental na cozinha por duas razões: conduz calor e intensifica sabores. E o azeite é o rei das gorduras, pela sua delicadeza e por sua composição vegetal.”
Normalmente colocado no início do preparo de cozidos, utilizado como tempero a frio e em finalizações de confecções, o azeite resiste bem às altas temperaturas, por isso é uma excelente opção para cozinhar, assar, fritar e para utilizar em doces. “A gordura com maior resistência ao calor é o azeite. É um erro dizer que não se deve usá-lo em altas temperaturas.”
E se engana quem pensa que o azeite fica restrito apenas aos pratos salgados. Vítor Sobral conta que existem muitos exemplos de doces portugueses com azeite, e que a manteiga e banha de porco também servem como ingredientes. “A gordura é uma presença habitual nos doces. E o azeite, sendo uma gordura de excelência, é perfeito para ser utilizado nessas receitas”, explica.

Olive Oil

Azeite e saúde – Além de ajudar na redução do mau colesterol (LDL), mantendo o bom colesterol (HDL), o azeite é rico em vitaminas A, D, K e E, que desempenham um papel importante numa variedade de funções em todo o corpo. A inclusão do azeite na alimentação é uma das formas mais fáceis de suprir alguns nutrientes que o organismo precisa, como afirma a nutricionista do Hapvida Saúde, Tanara Ferreira.
“O azeite é considerado uma gordura boa, pois contém gorduras insaturadas, dentre elas o ômega 3 e ômega 9. O ômega 3 é uma gordura que deve ser consumida diariamente, pois o nosso corpo não é capaz de produzi-lo”, explica.
O consumo moderado do azeite pode controlar o colesterol total, o LDL, e aumentar o colesterol HDL. Segundo a nutricionista do Hapvida Saúde, a ingestão do azeite também previne doenças cardiovasculares, como hipertensão e infarto, e os problemas neurológicos a exemplo do Alzheimer, AVC, Parkinson e, até mesmo, a depressão. Além disso, melhora a função imunológica, tem ação antioxidante, promove saciedade, melhora o desempenho cognitivo e a função intestinal.

Consumo cresce – A preocupação com a saúde e o aumento do poder aquisitivo dos brasileiros nos últimos anos fizeram saltar a participação do azeite nas refeições e preparos de pratos diários. O consumo de azeites e azeitonas no país cresceu significativamente e o Brasil já é um dos cinco maiores consumidores mundiais, fechando 2013 com uma importação de 68,5 mil toneladas do óleo, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
A maior parte do azeite consumido por aqui vem da Europa, com destaque para Portugal, Itália, Grécia e Espanha. Nossa preferência cultural e afetiva coloca os azeites portugueses como referência nas nossas mesas, e o país é responsável por 56% do azeite consumido aqui.
Paulo Lima, consultor de inovação, conceito e mercado do Pão de Açúcar e também responsável pelo setor de azeites da rede, destaca que, por preços bastante acessíveis, é possível encontrar bons rótulos nas gôndolas dos supermercados.
Uma dica simples do consultor e que vale a pena ser seguida: “Onde existem bons vinhos, teremos bons azeites”. Por isso, vale destacar os produtos da região do Alentejo, em Portugal; na Itália, Ligúria; na Grécia, Creta; e no Chile, Vale do Colchágua. Para Lima, os chilenos são os melhores produtos da América do Sul, e, assim como os vinhos, seus azeites vêm conquistando o mercado mundial.
Fonte: Pauta Assessoria de Comunicação – Melissa Paulino

Vida e Saúde