Vida e Saúde

31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco

Atualizado em: 31/05/2016

cigarro

Que o tabaco é prejudicial à saúde não é novidade para ninguém. Além de ser um importante causador do câncer, ele provoca a redução do colesterol bom (HDL), aumento da acidez do estômago, acelera o envelhecimento celular e aumenta em até três vezes as chances de AVC.

Porta de entrada do corpo, a boca também é bastante prejudicada pelo tabaco. “Seja sob a forma de cigarro, charuto ou o tabaco mascado, os usuários têm maiores chances de desenvolver doenças na boca e em demais partes do organismo. O uso da substância pode aumentar de 10 a 20 vezes a incidência de doenças na boca”, afirma o dentista e diretor da clínica Ortoligável, Vicente Pacheco.

Entre os problemas mais comuns, estão as doenças periodontais (doenças na gengiva) e a halitose (mau hálito). “O tabaco diminui a imunidade do organismo, tanto sistêmica quanto local, prejudicando a cicatrização das feridas, abrindo portas para que as bactérias oportunistas presentes na cavidade bucal se reproduzam estabelecendo vários problemas na região”, reforça Vicente.

Mas a doença mais grave provocada pelo tabaco é o câncer. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2016, a estimativa é que sejam registrados na Paraíba 260 casos de câncer na cavidade oral, sendo o tabaco um dos principais agentes causadores apontado pela pesquisa. “Os principais cânceres de boca causados pelo cigarro são o câncer de lábios, de língua e de assoalho de boca. São extremamente violentos, possuem alto índice de morbidade e levam, frequentemente, à perda do órgão”, alerta o diretor da Ortoligável.

De acordo com o especialista, para evitar esses problemas, o ideal seria evitar o fumo, mas, também é possível fazer o autoexame, principalmente pessoas com mais de 40 anos que ingerem bebidas alcoólicas ou fazem uso de cigarro. Em frente ao espelho, com boa iluminação, deve-se palpar e inspecionar visualmente bochecha, lábios, língua, assoalho bucal e palato. “No mais, o hábito regular de escovar os dentes, passar o fio dental, higienizar a língua, usar enxaguatórios bucais e frequentar o dentista a cada seis meses visam a prevenção do estabelecimento das doenças bucais desde as mais simples às mais complexas”, completa.

Assessoria

Vida e Saúde