Cerca de 200 mil brasileiros sofrem com Parkinson

Dia Internacional do Livro Infantil: Leitura ajuda no desenvolvimento da criança e favorece as relações familiares
2 de abril de 2016
Paraíba têm treze Startups aprovadas em edital de Tecnologia
13 de abril de 2016

Cerca de 200 mil brasileiros sofrem com Parkinson

Pilates para idosos

Uma doença degenerativa, que atinge o sistema nervoso central e sem cura. Pessoas com Mal de Parkinson sofrem diariamente com os transtornos causados pela doença, que incluem tremor, bradcinesia (diminuição dos movimentos) e rigidez. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da população mundial acima dos 65 anos tem a doença e, no Brasil, acredita-se que 200 mil pessoas sofram com o problema. Como forma de alerta, nesta segunda (11) é comemorado o Dia Mundial da Conscientização da Doença de Parkinson.

 

De acordo com o neurologista do Hapvida Saúde, Rafael Camelo, não se sabe exatamente a causa do Parkinson, mas acredita-se que fatores genéticos e ambientais estejam relacionados ao desenvolvimento da doença. No entanto, o especialista esclarece que a idade é o único fator de risco definitivo para o aparecimento do Mal de Parkinson. Por causa disso, não há como prevenir o aparecimento da doença, mas a adoção de hábitos saudáveis pode retardar o aparecimento e gravidade dos sintomas.
Com o passar dos anos, os neurônios – independente da pessoa – sofrem por degeneração e morte. Porém, em quem tem a doença, os neurônios da Substância Negra (responsável pela produção de dopamina no cérebro) são os mais atingidos. “Esses neurônios sofrem degeneração e morte precoce, o que provoca uma deficiência desse neurotransmissor e ocasiona os sintomas”, explica Rafael Camelo.

Por ser uma doença que não tem cura, o tratamento multidisciplinar com medicamentos, fisioterapia, fonoterapia, psicoterapia e acompanhamento nutricional são fundamentais para garantir a qualidade de vida e diminuir os sintomas. O tratamento cirúrgico também é uma alternativa, como afirma o especialista. “Ele visa à destruição ou estimulação contínua de estruturas cerebrais específicas e profundas, relacionadas com o desenvolvimento dos sintomas, melhorando a qualidade de vida dos pacientes”, esclarece o neurologista.

Dentre as possibilidades de tratamentos não medicamentosos, se destacam os exercícios físicos responsáveis por estimular a reeducação neuromotora e auxiliar na regulação hormonal desses pacientes. Neste aspecto, o Pilates pode ser um grande aliado no tratamento.

A filosofia e o repertório de exercícios do método propiciam um ambiente enriquecedor e a possibilidade de um programa adequado para o tratamento do mal de Parkinson, tendo como foco principal minimizar as desordens motoras e os desequilíbrios causados pela doença, melhorando a marcha, o equilíbrio e principalmente ajudando a modular o tônus muscular. “Uma vez que os movimentos do Pilates seguem princípios como precisão e controle, eles podem fazer uma enorme diferença para pessoas com a doença de Parkinson, pois os sintomas podem ser retardados e até mesmo controlados”, explica a fisioterapeuta Rossana Vasconcelos, da clínica Equilibra.

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Os comentários estão encerrados.