Sem categoria

5 LIVROS ESCRITOS POR MULHERES QUE VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE LER

Atualizado em: 17/04/2015

livro

Conheça obras de escritoras como Clarice Lispector, Hilda Hilst, Maria Carolina de Jesus, Eliane Brum e Toni Morrison.

 

Responda aí de supetão: quantos livros escritos por mulheres você leu ano passado? Provavelmente você vai gaguejar e não saber dizer. Mas isso não é privilégio seu. Mesmo mulheres lendo mais livros do que homens, segundo pesquisa divulgada em 2012 pelo Instituto Pró-Livro, o número de obras lidas pelas pessoas – escritos por mulheres – ainda é muito baixo. A Editora Alpaca realizou uma pesquisa, em maio de 2014, que ajuda a compor esse cenário. Feita com mais de 2.500 pessoas, entre 15 a 34 anos, de todos os estados brasileiros, o levantamento mostrou que 50% dos leitores declararam que leem mais de 10 livros/ano e que os títulos lidos – escritos por mulheres – chegam a apenas 1 ou 3 livros no máximo.

 

O desequilíbrio é tanto que os blogs Leia Mulheres 2014 e Lendo Mulheres em 2014. No primeiro blog, você pode participar, se quiser, enviando trechos de livros de escritoras, fotos de pessoas lendo livros de mulheres, fotos das capas destes livros, listas de leitura, imagens de algum trecho ou mesmo resenhas. A ideia foi inspirada no Read Woman 2014, projeto da escritora britânica Joanna Walsh, que deseja estimular a leitura de obras escritas por mulheres. 

 

Uma outra pesquisa, por exemplo, realizada em 2008, pela professora Regina Dalcastagné, da Universidade de Brasília (UNB), analisa esse mesmo cenário, ou seja, por que as pessoas leem poucos livros de autores do sexo feminino. Regina dedicou os últimos anos para o estudo de 258 romances de 165 escritores diferentes, das principais editoras brasileiras. A ideia do levantamento é, entre outras questões, saber o total de mulheres escritoras e também como os negros costuma ser retratados em obras de ficção. Segundo a análise, mais de 70% dos escritores no Brasil são homens e, nos 258 livros analisados, apenas três protagonistas eram mulheres e negras.

Que tal, então, começar a ler alguma obra de escritoras desde já? Para te ajudar a começar essa selação de obras escritas por mulheres, o Tempo de Mulher reuniu 10 livros de algumas das principais autoras e que você não pode deixar de ler. Entre os nomes estão Clarice Lispector, Hilda Hilst, Maria Carolina de Jesus, Eliane Brum e Toni Morrison. Claro que a lista é para iniciantes e vai deixar de lado nomes importantes de mulheres das literaturas nacional e estrangeira. Mas, claro, já é um primeiro passo. E você pode contribuir acrescentando uma obra feminina que achar importante, combinado?

Vamos lá?

 

 

“Perto do coração selvagem”, de Clarice Lispector

 

A escritora brasileira Clarice Lispector se tornou pop de alguns anos para cá. Frases de seus livros estão frequentemente nas redes sociais. Perto do coração selvagem (Editora Rocco), publicado em 1943, é seu livro de estreia e foi bem recebido pela crítica literária da época. A obra conta a infância e o início da vida adulta da personagem Joana.Clarice surpreendeu a crítica ao trazer uma literatura mais “existencial” num momento em que a literatura brasileira era pautada pelo regionalismo, com livros que retratavam a realidade social.Obras como O lustreA cidade sitiada, A paixão segundo G.H. e a Hora da estrela são outras obras bastante conhecidas de Clarice, que morreu em aos 56 anos em 1977.

“Quarto de despejo”, de Maria Carolina de Jesus
Maria Carolina de Jesus escreveu, em 1960, Quarto de despejo: diário de uma favelada. Celebrado à época e esquecido depois, o livro é um diário que retrata a vida nas favelas brasileiras e traz reflexões de Carolina como mulher pobre e negra.Moradora da favela do Canindé, em São Paulo, a escritora trabalhava como catadora de lixo e registrava em cadernos o cotidiano da favela onde vivia.O livro, que foi um sucesso de vendas e traduzido para 13 idiomas, foi reeditado pela Editora Ática como forma de resgatar a obra de Carolina e como parte da comemoração pelos 100 anos de seu nascimento em 2014.

 

“As boas mulheres da China”, de Xinran
Entre 1989 e 1997, a jornalista e radialista Xinran entrevistou chinesas de diferentes idades e condições sociais para tentar compreender como era a condição feminina na China. Essas histórias foram registradas em seu livro de estreia, As boas mulheres da China (Companhia de Bolso), que traz histórias de opressão, machismo e violência familiar, entre outras questões pouco discutidas pela China. Xinran é autora ainda de Enterro Celestial e Mensagens de uma mãe chinesa desconhecida.

“As meninas”, de Lygia Fagundes Telles

Publicado em 1973 por Lygia Fagundes Telles, o livro As meninas conta a história de três jovens mulheres que vivem num pensionato de freiras durante o período da ditadura militar no Brasil.A escritora, que ganhou em 2005 o prêmio mais importante dado a autores em língua portuguesa, o Camões, é autora ainda de obras como Ciranda de PedraVerão no AquárioO cacto vermelho, entre outras.O livro As meninas é publicado atualmente pela Companhia das Letras.

“O olho mais azul”, de Toni Morrison

Toni Morrison foi a primeira mulher negra a ganhar o Prêmio Nobel de Literatura, em 1993, e isso já diz tudo.Em O olho mais azul (Companhia das Letras), a escritora, que nasceu em Ohio, nos Estados Unidos, retrata a questão racial dos Estados Unidos dos anos 1950. Seus romances, como Paraíso e Jazz, geralmente mostram mulheres negras com personalidades fortes e histórias de vida marcantes. Em 2005, a escritora foi agraciada com um diploma honorário de “Doutora em Letras” pela Universidade de Oxford. Ela tem atualmente 83 anos.

Fonte: Da Redação com Tempo de Mulher

Sem categoria