Notícias

Partidos enfrentam escassez de mulheres para eleições em Manaus

Atualizado em: 07/05/2012

Manaus – Pelo menos quatro partidos do Amazonas (PT, PPS, PSDB e PSD)  estão com dificuldades para atender o que determina o Parágrafo  3º do Artigo 10 da Lei  9.504/97, que  prevê uma cota de 30% das vagas de  candidatos para mulheres. Na semana passada, o PT informou que até agora só cinco mulheres se habilitaram para a disputa de cargo de vereador em Manaus.

No PSDB a dificuldade é fechar o número de candidatas nos municípios do interior do Estado. Segundo o secretário- geral do partido, Mário Barros, faltam mulheres na política. “Historicamente sempre foi uma dificuldade em todos os partidos. Em Manaus não teremos problema, mas no interior faltam mulheres  engajadas na política”, afirmou.

O mesmo problema é apontado por Guiomar Nogueira, responsável pela coordenação de mulheres do PPS.  “Em Manaus, temos 19 pré-candidatas. Mas no interior é mais difícil. A  questão é cultural. A mulher precisa ser estimulada a participar do processo político”, afirmou.

Pela legislação, os partidos que não coligarem terão que reservar 19 vagas para mulheres candidatas a vereador,  número que pode ser reduzido caso haja  coligação. Dos seis partidos ouvidos pelo DIÁRIO, apenas o PP e PSB disseram não ter problema com a cota.

O  Amazonas tem 73 parlamentares  no Congresso Nacional, na  Câmara Municipal de Manaus (CMM) e na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), mas apenas 12 vagas são ocupadas por mulheres.

O secretário-geral do PSD afirmou que “os partidos oferecem o espaço, mas as mulheres  não estão presentes, em sua maioria, no movimento partidário”.  Para a vereadora Lúcia Antony (PCdoB) a dupla jornada de trabalho (emprego e família) – o que não ocorre com os homens –  contribui para a pouca participação política das mulheres. Ela defende a ampliação de políticas que promovam o aumento de mulheres na política.

Segundo a deputada Conceição Sampaio (PP) os  partidos precisam “acreditar” nas candidaturas das mulheres. “Não queremos que os partidos tenham mulheres só para preencher a cota. Esperamos  candidaturas com condições iguais de disputa”, afirmou.

Portal D24am

Notícias