Mulheres migrantes vítimas de violência terão atendimento na fronteira entre Brasil e Venezuela

4 em 5 pessoas não seguem a profissão que queriam na infância
22 de junho de 2012
Julgamento moral afeta atendimento hospitalar da mulher que aborta
26 de junho de 2012

Mulheres migrantes vítimas de violência terão atendimento na fronteira entre Brasil e Venezuela

Foi inaugurado na última sexta-feira, em Pacaraima (RR), o primeiro centro binacional de atendimento à mulher migrante v

Foi inaugurado na última sexta-feira, em Pacaraima (RR), o primeiro centro binacional de atendimento à mulher migrante vítima de violência, em uma parceria entre Brasil e Venezuela.

De acordo com Aparecida Gonçalves, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência (SPM), a região de fronteira geralmente apresenta problemas relacionados à questão.

“Nas fronteiras secas, as mulheres saem de moto ou de carro e vão para o outro país fazer programa, sejam as brasileiras na Venezuela, sejam [as mulheres] da Venezuela no Brasil. Aí nós vamos ter um alto índice de violência, um alto índice de problemas de saúde, seja saúde sexual, DST/Aids [Doenças Sexualmente Transmissíveis/Aids], sejam outros tipos de doença, e são essas perspectivas que faz com que se proponham políticas públicas de atendimento às mulheres”.

A secretária explica que o centro vai atender mulheres e meninas vítimas de exploração sexual e tráfico de pessoas, além de mulheres indígenas que sofrem violência nas aldeias. As vítimas serão acolhidas e receberão acompanhamento psicológico, jurídico e com assistente social, além do encaminhamento para os serviços de saúde em Roraima e também em Santa Helena, na Venezuela.

A equipe de atendimento conta com uma psicóloga, uma assistente social, uma advogada, duas educadoras sociais, dois motoristas e duas auxiliares. Os profissionais receberam capacitação da SPM em relação de gênero e diversidade, Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Lei Maria da Penha e tráfico de pessoas.

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *