Notícias

Mulheres migrantes vítimas de violência terão atendimento na fronteira entre Brasil e Venezuela

Atualizado em: 25/06/2012

Foi inaugurado na última sexta-feira, em Pacaraima (RR), o primeiro centro binacional de atendimento à mulher migrante vítima de violência, em uma parceria entre Brasil e Venezuela.

De acordo com Aparecida Gonçalves, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência (SPM), a região de fronteira geralmente apresenta problemas relacionados à questão.

“Nas fronteiras secas, as mulheres saem de moto ou de carro e vão para o outro país fazer programa, sejam as brasileiras na Venezuela, sejam [as mulheres] da Venezuela no Brasil. Aí nós vamos ter um alto índice de violência, um alto índice de problemas de saúde, seja saúde sexual, DST/Aids [Doenças Sexualmente Transmissíveis/Aids], sejam outros tipos de doença, e são essas perspectivas que faz com que se proponham políticas públicas de atendimento às mulheres”.

A secretária explica que o centro vai atender mulheres e meninas vítimas de exploração sexual e tráfico de pessoas, além de mulheres indígenas que sofrem violência nas aldeias. As vítimas serão acolhidas e receberão acompanhamento psicológico, jurídico e com assistente social, além do encaminhamento para os serviços de saúde em Roraima e também em Santa Helena, na Venezuela.

A equipe de atendimento conta com uma psicóloga, uma assistente social, uma advogada, duas educadoras sociais, dois motoristas e duas auxiliares. Os profissionais receberam capacitação da SPM em relação de gênero e diversidade, Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Lei Maria da Penha e tráfico de pessoas.

Notícias