Mulher de baixa renda busca abrir salão de beleza

Empresas de ônibus dão preferência a mulheres ao volante
29 de maio de 2012
Veja quem são as 10 mulheres mais poderosas da moda
31 de maio de 2012

Mulher de baixa renda busca abrir salão de beleza

A mulher brasileira de baixa renda encontrou no mercado da beleza o negócio ideal para o crescimento da renda. Com um in

A mulher brasileira de baixa renda encontrou no mercado da beleza o negócio ideal para o crescimento da renda. Com um investimento de apenas R$ 1,5 mil é possível montar um pequeno salão de beleza.

Algumas buscam reforçar a renda. Outras ingressam no setor como microempreendedoras e montam o próprio negócio. De acordo com Eduardo Tegeler, gerente de operações do Instituto Embelleze, que é voltado para a formação profissional no setor, a maioria das alunas que procura o instituto é das classes C e D.

“Elas procuram uma mudança de vida e entram no mercado querendo ganhar mais”, explica Tegeler.

Em dois anos, um salão de beleza pode gerar até 150% de lucro. Para o gerente da Embelleze, esse é o tempo médio para que muitas dessas mulheres alcancem sucesso profissional e também financeiro.

Estudo

Para isso, Elderci Garcia, consultora do Sebrae-SP, aconselha cautela no início. “Antes de abrir uma empresa é preciso montar um plano de negócios, com um estudo de mercado, análise da região onde se pretende abrir o salão e entender as relações de trabalho.” Elderci aponta que esse planejamento minimiza o risco da futura empresária.

Além da formação em gestão, especialistas indicam investir em formação para garantir ao profissional a possibilidade de oferecer novos serviços.

Silvia Mussolini, coordenadora do curso de graduação em tecnologia em estética e cosmética do Senac-SP, conta que a procura por cursos de estética e beleza tem crescimento de 25% ao ano. “As pessoas procuram se diferenciar frente ao mercado crescente e agregar valor ao serviço”, diz ela.

Para a coordenadora, a inserção das classes C e D na economia brasileira reflete a tendência de busca por serviços de qualidade. “A brasileira se preocupa muito com a beleza e não quer ir a um salão qualquer”, explica ela.

Para Silvia, o diferencial entre os profissionais de estética está na especialização. Eduardo Tegeler, do Instituto Embelleze, completa: “Em quatro meses, as alunas já estão aptas ao trabalho. Muitas delas aproveitam o dinheiro para pagar o curso e comprar o material necessário para montar um salão. O retorno financeiro é muito rápido. É um setor que cresce muito”, garante o especialista.

Agência Bom Dia

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *