Grupo invade festa, estupra e mata convidadas na Paraíba. Crime seria “presente” para aniversariante

Donas de casa com Previdência crescem
10 de fevereiro de 2012
Redução no valor de contribuição incentiva donas de casa a se inscreverem na Previdência
14 de fevereiro de 2012

Grupo invade festa, estupra e mata convidadas na Paraíba. Crime seria “presente” para aniversariante

No final da manhã desta segunda-feira, 13, a Polícia de Campina Grande reuniu a imprensa paraibana para revelar detalhes

No final da manhã desta segunda-feira, 13, a Polícia de Campina Grande reuniu a imprensa paraibana para revelar detalhes do crime que aconteceu na madrugada desse sábado (11), na cidade de Queimadas, no Agreste paraibano. Um grupo de criminosos invadiu uma festa que acontecia em uma casa no Centro da cidade, estuprou as mulheres que participavam da festa, levando com eles duas das mulheres como reféns. Mais adiante, uma delas conseguiu pular da camioneta Fiat Strada, mas levou quatro tiros e caiu na frente da igreja Nossa Senhora da Guia. A recepcionista Michele Domingues da Silva, de 29 anos, ainda foi levada ao Hospital de Queimadas, mas não resistiu aos ferimentos. A outra mulher, a professora Isabela Pajussara Monteiro, de 27 anos, foi encontrada morta na carroceria do veículo logo em seguida, com as mãos amarradas, meias na boca e hematomas pelo corpo. De acordo com a Unidade de Medicina Legal de Campina Grande, as duas vítimas apresentavam indícios de violência sexual.

Segundo a delegada Cassandra Duarte, o estupro coletivo seria um “presente de aniversário” para o dono da casa, Eduardo Santos Pereira (28 anos). As convidadas teriam sido escolhidas “a dedo” para participar da festa. O irmão do aniversariante, Luciano, também teria participado do plano para estuprar as convidadas da festa. A polícia explicou que os criminosos decidiram matar as duas mulheres porque o pano que vendava as vítimas desatou, fazendo com que elas pudessem ver os participantes do crime, incluindo o próprio aniversariante, Eduardo Santos.

Na coletiva de imprensa, a polícia explicou que as esposas dos dois irmãos também estavam na festa, mas foram separadas das outras cinco mulheres que foram estupradas pelo grupo. Segundo a investigação, elas não sabiam o que iria acontecer na festa.

Ao tomar conhecimento do crime, a polícia de Campina Grande passou a buscar os envolvidos. Os primeiros foram presos no velório das duas vítimas. A partir de então, a busca continuou, resultando na prisão dos demais participantes. Eles serão indiciados por cárcere privado, sequestro, estupro, homicídios qualificados, roubo e formação de quadrilha.

Da redação

 

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *