Notícias

Emater participa de encontro para mulheres rurais em Brasília

Atualizado em: 07/03/2012

O Governo do Estado, por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), empresa vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), participa, nesta terça e quarta-feira (6 e 7), em Brasília (DF), de reunião setorial para a I Conferência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e Reforma Agrária, que acontece em abril.

A extensionista social e articuladora da rede temática de Assistência Técnica e Rural (Ater) para mulheres, Maria Vilani Marinho de Souza, será a representante do órgão nesta reunião.

O Governo tem implantado ações de cidadania para a mulher agricultora com o propósito de informá-la sobre seus direitos no processo de inclusão social e produtiva. A finalidade é combater a pobreza no campo e promover o desenvolvimento rural sustentável. Atualmente, são assistidas pela empresa, de forma permanente, 1.797 mulheres rurais nas 15 regiões administrativas do Estado, visando a valorização do trabalho produtivo na indústria rural caseira com a produção de doces, bolos e licores, entre outros.

Destacam-se ainda o artesanato e o cultivo de horta caseira, que fornece produtos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), além de feiras livres. A participação da mulher tem fortalecido a gestão das Unidades Produtivas Familiares (UPFs), como também os Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS).

O encontro tem por objetivo discutir a ampliação das políticas públicas para as mulheres. Dentre os temas abordados, destaca-se “Igualdade de gênero no processo de discussão das diretrizes, prioridades e estratégias que vão compor o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pronater) a partir dos princípios e objetivos da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pnater)”.

A rede de Ater para mulheres foi criada com o propósito de desmistificar a concepção de que a mulher é um ser meramente reprodutivo e responsável pelo trabalho doméstico familiar. “É necessário criar políticas públicas destinadas à valorização profissional a fim de que a mulher, principalmente a agricultora, possa assumir autonomia na busca de seu espaço na sociedade”, disse Vilani.

Participam do encontro em Brasília, articuladores das redes temáticas de Ater para mulheres de todo o País, representantes do Comitê de Políticas para as mulheres do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf), de empresas públicas prestadoras de Ater, de organizações não governamentais e das secretarias do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), promotor do evento.

Secom

Notícias