Domésticas estão mais velhas, têm mais estudo e oportunidades

Conheça 5 hábitos que podem te proteger do câncer de mama
24 de maio de 2012
Brasileiros protestam por liberdade feminina na Marcha das Vadias
28 de maio de 2012

Domésticas estão mais velhas, têm mais estudo e oportunidades

Mais velhas, com maior tempo de estudo e mais oportunidades de trabalho. O perfil das domésticas brasileiras passou por

Mais velhas, com maior tempo de estudo e mais oportunidades de trabalho. O perfil das domésticas brasileiras passou por mudanças significativas nos últimos dez anos. De 2009 para 2011, o número de trabalhadores domésticos caiu de 1.652.000 para 1.554.000 nas seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).  Isso significa 98 mil empregados a menos nos lares brasileiros.

O crescimento econômico vivenciado pelo País nos últimos anos e a elevação da escolaridade da população, principalmente das mulheres e dos mais jovens, são os responsáveis por essa redução de trabalhadores, explica Patrícia Lino Costa, economista do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

— Novas oportunidades são abertas em outros setores, e as mulheres mais jovens tendem a migrar. Elas vão procurar emprego nas áreas de comércio, serviços, até mesmo na limpeza em escritórios porque terão carteira de trabalho assinada, jornada definida, direito a aposentadoria, o que não acontece no trabalho doméstico.

De fato, o trabalho doméstico tem se tornado uma profissão de mulheres mais velhas, segundo um estudo comparativo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Em 2009, a maioria delas (69%) tinha de 30 a 59 anos e apenas 22,2% eram moças de 18 a 29 anos. Em 1999, a faixa de idade dos 18 aos 29 anos respondia por 33,9% do total de trabalhadoras, enquanto 53,4% tinham entre 30 e 59 anos.

As mulheres são a grande maioria dos trabalhadores domésticos. Segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2009, do total de 7,2 milhões de pessoas ocupadas em serviços para famílias ou particulares (como motorista e acompanhante de idosos), 93% são do sexo feminino.

O envelhecimento não é a única alteração ocorrida no perfil dessas trabalhadoras ao longo das últimas décadas. Elas também estão mais instruídas e passaram mais tempo na escola. Em 2009, a média foi de 6,1 anos de estudo contra os 4,7 anos registrados em 1999.

Com o tempo, mais direitos foram conquistados. Se antes elas tinham apenas garantias como salário mínimo, 13º salário e licença-maternidade de 120 dias, instituídos pela Constituição Federal de 1988, leis criadas nos anos 2000 acrescentaram férias de 30 dias, estabilidade para gestantes, direito aos feriados civis e religiosos e a proibição de descontos de  moradia, alimentação e produtos de higiene pessoal utilizados no local de trabalho.

Porém, nenhum direito é assegurado se a empregada não trabalhar com a carteira assinada, o que ainda é pouco comum no trabalho doméstico. Atualmente, a cada cem trabalhadores domésticos, 73 exercem a função sem carteira assinada, de acordo com o IBGE.

R7

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *