Notícias

Dilma se solidariza com jornalista que criou campanha contra estupro

Atualizado em: 31/03/2014

estupro

A presidente Dilma Rousseff manifestou, pelo Twitter, solidariedade à jornalista Nana Queiroz, ameaça de estupro depois que lançou, na semana passada, a campanha “Eu não mereço ser estuprada”. A jornalista propôs que mulheres mudassem suas fotos de perfis em redes sociais por fotografias com os dizeres que dão nome à campanha.

estupro2    estupro1    estupro3   estupro4

O protesto surgiu após divulgação de pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que, entre outros dados, mostrou que 58,5% da população acredita que o comportamento feminino influencia estupro e que 65,1% concordam total ou parciamente com a afirmação de que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.
“A jornalista @nanaqueiroz se indignou c/ os dados da pesquisa do @ipeaonline sobre o machismo na nossa sociedade #respeiteasmulheres”, escreveu Dilma na rede social. “Por ter se manifestado nas redes contra a cultura de violência contra a mulher, a jornalista foi ameaçada de estupro. Organizadora do protesto #NãoMereçoSerEstuprada, @nanaqueiroz merece toda a minha solidariedade e #respeito”, completou a presidente.
Dilma disse ainda que o governo e a lei estão do lado da jornalista e das mulheres ameaçadas ou vítimas de violência.
Também pelo Twitter, a jornalista agradeceu à presidente, mas pediu mais ações de combate à violência sexual. “Cara presidenta, obrigada. Esperamos contar com seu seu apoio para aprovação de leis que protejam mulheres de crimes virtuais”, escreveu em resposta.

O Fantástico do último domingo mostrou que a campanha lançada por Nana Queiroz contra a violência sexual teve adesão rápida de milhares de pessoas pelas redes sociais. O sucesso, porém, veio acompanhado de ofensas e ameaças à jornalista.
“Cinco minutos depois eu já tinha uma ameaça de estupro, dez minutos depois eu já estava num site pornô pedindo para ser estuprada, minha foto manipulada. Eu estava com os braços escritos – ‘não mereço ser estuprada’. Eles apagaram o ‘não’ – e colocaram ‘mereço ser estuprada'”, relatou Nana Queiroz.
Na foto que Nana Queiroz publicou, ela estava com o busto nu e fras escrita dos braços, que escondiam os seios.
A jornalista chegou a prestar queixa na Delegacia da Mulher após visualizar num perfil em rede social já apagado, um homem disse que já tinha cometido estupro e faria de novo. Ela diz que outras centenas de mulheres que aderiram ao protesto também foram ameaçadas.
Fonte:G1

Notícias