Deputados defendem lei que multa empresa que paga menos à mulher

Depilação íntima não é contraindicada, mas requer cuidados
19 de março de 2012
Servidoras da PMJP participam do 1º Festival Mulheres de Talento
21 de março de 2012

Deputados defendem lei que multa empresa que paga menos à mulher

As sugestões foram apresentadas na audiência pública que discutiu o trabalho decente, nesta terça-feira (20), na Comissã

As sugestões foram apresentadas na audiência pública que discutiu o trabalho decente, nesta terça-feira (20), na Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, em Brasília. Segundo o deputado Sebastião Bala Rocha (PDT-AP), que propôs o debate, o Projeto de Lei que multa as empresas pelo pagamento de salários inferiores às mulheres enfrenta resistência do empresariado.

“Não é mais admissível no mundo em que nós vivemos, aceitarmos essa prática de que uma mulher que faz o mesmo trabalho que um homem, ganhe menos. Isso tem que ser de fato eliminado das relações de trabalho.” Bala Rocha ressaltou que a multa só será aplicada se houver o desrespeito à igualdade. “Então, quem não quer ser multado, que pratique a igualdade salarial.”

Segundo a procuradora regional do Ministério Público do Trabalho, Adriane de Araújo, a dupla jornada das mulheres é outro fator para que as mulheres recebam remuneração menor. Sabendo desta carga maior que a mulher costuma ter, os empregadores deixam de promovê-las a cargos de maior responsabilidade e pagar salários maiores.

A procuradora propôs medidas que busquem dividir a responsabilidade familiar com os homens. Um exemplo é a mudança da lei que determina a disponibilização de creches pelas empresas que têm mais de 30 mulheres. “Se há uma co-responsabilidade familiar entre homens e mulheres, o empregador deveria ter a obrigação de criar creches, tendo homens ou mulheres como trabalhadores que têm crianças de 0 a 6 anos. Essa responsabilidade não tem que estar vinculada ao trabalho da mulher.”

Adriane de Araújo disse ainda que, para evitar a discriminação da mulher, é necessário haver escolas públicas de tempo integral, já que nem todo mundo pode pagar uma trabalhadora doméstica. Ainda segundo ela, a licença logo após a adoção de uma criança deveria ser dividida entre pai e mãe.

Debate necessário

A audiência pública sobre o tema “Trabalho decente, uma questão de gênero” faz parte do calendário de comemoração do Dia Internacional da Mulher, no último dia 8 de Março. A audiência desta terça-feira foi a primeira de uma série de sete debates sobre o “trabalho decente”. No dia 8 de maio, a Câmara sediará um encontro nacional sobre o assunto e o Executivo está organizando uma conferência nacional a ser realizada entre 8 e 11 de agosto.

O conceito de trabalho decente foi criado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que está empenhada em sua implantação em todo o mundo. O trabalho decente é assim definido: “Aquele tido como produtivo e adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade de organização sindical e negociação coletiva, equidade e segurança, sem qualquer forma de discriminação e capaz de garantir uma vida digna”.

Em maio de 2006, o Brasil lançou a Agenda Nacional de Trabalho Decente (ANTD), em atenção ao Memorando de Entendimento para a promoção de uma agenda de trabalho decente no país assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela OIT.

Com informações da Agência Câmara

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *