Negócios

Burocracia consome 135 dias de trabalho nas Micro e Pequenas Empresas brasileiras

Atualizado em: 10/11/2017

burocracia

Uma pesquisa feita pela consultoria Plum feita com 11 nações, apontou o ônus da burocracia para os micro e pequenos empreendedores brasileiros: a perda de produtividade alcança R$ 79,5 bilhões por ano. Entenda mais sobre os ônus da burocracia aqui no Brasil.

 

 

 

Os micro e pequenos empresários brasileiros gastam, em média, 135 dias por ano de trabalho com tarefas administrativas. Isso significa que 6,5% de todo o tempo dos funcionários dessas empresas são empregados nesses afazeres, quase quatro vezes mais que no Canadá (1,7%) e acima de outros emergentes como África do Sul (3,7%).

A média global de tempo gasto com tarefas burocráticas é de 120 dias, segundo o levantamento, o que equivale a 5% do tempo da mão de obra dos pequenos negócios nos 11 países selecionados. Foram ouvidas 300 empresas de pequeno porte em cada uma das nações pesquisadas.

burocracia-2

De acordo com Jorge Santos Carneiro, presidente da Sage Brasil e América Latina — empresa britânica que atua na área de sistemas de gestão empresarial e que encomendou a pesquisa —, embora o número absoluto de dias de trabalho dedicados a processos administrativos chame atenção, é a proporção do tempo gasto que deve servir de parâmetro na comparação entre os países, dado que a participação dos pequenos negócios em cada economia varia bastante.

No Canadá, país que está mais bem colocado no ranking, apenas 1,7% do tempo dos funcionários é gasto com essas tarefas. O bom resultado deve-se não apenas ao fato de que há empresas significativamente menores lá do que em outras economias, como também ao baixo índice de burocracia no país.

A Espanha aparece na pior colocação, com 10,5% do tempo da força de trabalho das micro e pequenas empresas ocupados com afazeres burocráticos. Um dos fatores que pesam nesse resultado é o fato de que 43% das micro e pequenas empresas espanholas não utilizam qualquer tipo de software para auxiliá-las nessas tarefas.

No Brasil, o principal serviço administrativo dos pequenos empreendedores é a contabilidade (21%), seguida pela emissão de faturas (15%) e tarefas operacionais, como recrutamento e recursos humanos (12%).
— O excesso de atividades burocráticas, somado à complexidade da legislação brasileira e à carga tributária são grandes entraves para o crescimento dos negócios desse segmento no país, que é responsável por mais de 50% dos empregos — avalia Carneiro.

Negócios