Dá pra deixar a batata frita mais saudável?

Marketing online será discutido durante evento de negócios em João Pessoa
11 de julho de 2016
Olhar de moradores de rua sobre as Olímpiadas
13 de julho de 2016

Dá pra deixar a batata frita mais saudável?

Quem não tem vontade de comer batata frita? Mas, e a dieta? Sempre uma escolha difícil. Será que é possível deixar mais saudável? Reproduzimos na íntegra.

A batata é um alimento cheio de nutrientes, como o potássio, que contribui para o bom funcionamento dos músculos e, de quebra, ajuda a prevenir a retenção de líquido. Além disso, algumas substâncias, como patatina e quercetina, parecem atuar como inibidoras do crescimento de tumores – principalmente de mama. Acontece que o modo de preparo pode botar tudo a perder. É o caso da fritura, que fornece um tantão de gordura (e calorias). Tem mais um perigo: estudos indicam que um composto presente na versão mergulhada no óleo (ele se chama acrilamida) tem potencial cancerígeno. Por isso, uma das formas mais saudáveis de degustar o tubérculo é assado. Mas, convenhamos: é difícil resistir ao sabor das batatinhas fritas, não é mesmo?

Ainda bem que a ciência dá jeito para (quase) tudo.  A engenheira de alimentos Fernanda Furlan Gonçalves Dias, da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista, descobriu uma alternativa para baixar a concentração da tal acrilamida nesse alimento. É um processo complexo, mas que consiste basicamente em neutralizar a ação de um aminoácido chamado L-asparagina, presente na batata crua. Isso porque ele é o grande responsável pela formação da substância maléfica durante o processo de fritura.

E o efeito do método usado por Fernanda é significativo. Afinal, ela conseguiu diminuir em 72% a quantidade de acrilamida na batata frita sem alterar seu gosto nem sua consistência. Também dá para fazer isso fritando o alimento por menos tempo e em temperatura menor — mas, aí, a crocância vai embora. O estudo é preliminar e, por isso, outros testes precisam ser feitos para confirmar a viabilidade comercial da nova versão do alimento. Enquanto isso, se não resistir, prefira a batata frita preparada em casa (usando óleo novo e retirando bem o excesso da gordura), já que a industrializada é pré-frita, o que potencializa ainda mais esses efeitos negativos. E claro: não exagere.

Fonte: M de Mulher.

Cristiani Meller
Cristiani Meller, Analista Financeira e Gerente Comercial do Portal Mulher de Fato.

Os comentários estão encerrados.