Aplicativo de comida conecta cliente ao chef

WhatsApp pode mudar para acabar com compartilhamento de noticias falsas
29 de agosto de 2017
35 coisas que só quem é filho de professor vai entender
30 de agosto de 2017

Aplicativo de comida conecta cliente ao chef

Quando a paixão pela cozinha se torna uma possibilidade de criar um negócio na área, vem a necessidade de pensar em gestão. O aplicativo Apptite viu nessa carência uma possibilidade de mercado. Confira:

APLICATIVO DE COMIDA CONECTA CLIENTE AO CHEF

Com mais de 100 mil downloads e cardápio com 3 mil pratos autorais, Apptite fatura quase R$ 80 mil por mês

726-guilherme_parente_2

Apptite deve fechar agosto com 1.400 pedidos e cerca de 2.800 pratos (Foto: Divulgação)

Cozinhar é uma paixão que para muitos se transforma em profissão. Mas quando a sopa de letrinhas forma palavras como finanças, marketing e logística, alguns cozinheiros acabam perdendo o apetite pelo negócio. “A mulher de um de nossos sócios é chef. Ela disse que adorava cozinhar, mas não gostava de pensar na gestão. Achamos que muita gente poderia estar nessa situação e vimos que no mundo da economia compartilhada não existia nenhum aplicativo ocupando o espaço da gastronomia. Por isso, criamos o Apptite”, explica Guilherme Parente, sócio fundador do app.

Criado em 2016 para ajudar os chefs a se concentrar apenas nos pratos, o app cuida dos pedidos, pagamentos, logística e também fornece embalagens para a entrega dos pratos. Uma ferramenta que já atraiu quase 2 mil cozinheiros amadores e profissionais, mas só aprovou a entrada de 200 deles. “Não é qualquer pessoa que entra no aplicativo. Analisamos o tempo de cozinha, fazemos prova de comida, entrevista por telefone, vemos se ele conhece o manual de boas práticas da Anvisa”. Se não tiver nada disso, fica de fora, diz o empreendedor.

Para conectar os cozinheiros aos clientes, a plataforma usa tecnologia de geolocalização. “Você consegue ver os pratos dos chefs que estão mais próximos a você. Em três cliques você faz o pedido e escolhe o horário em que quer receber a comida”, diz Guilherme, ressaltando apenas que os pedidos devem ser feitos com ao menos 1 hora e meia de antecedência. “A comida é superfresca”.

De acordo com o empresário, o Apptite se tornou uma fonte real de renda para os chefes, que chegam a faturar 10 mil reais por mês com seus pratos. Só no mês de agosto deverão ser entregues cerca de 2.800 refeições por meio do app, sendo que a empresa de Guilherme fica com 20% do valor de cada pedido.

Os bons resultados do negócio chamaram a atenção da SuperJobs, venture builder que acaba de adquirir 10% do Apptite por R$ 1 milhão. “O aporte é para consolidar o negócio em São Paulo. O objetivo é crescer mais ainda dentro da cidade, colocar novos chefes e atingir novos usuários, posicionando-se como o melhor aplicativo de delivery de São Paulo”, conclui Guilherme.

Fonte: Revista PEGN 

 

Denise Lemos
Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Os comentários estão encerrados.