Esporte

Ochoa fecha o gol e Brasil empata em 0 x 0 com o México

Atualizado em: 17/06/2014

ochoa

O Brasil sofreu para empatar com o México nesta terça-feira (17), na Arena Castelão, em Fortaleza. Diante de um goleiro inspirado, a Seleção Brasileira não conseguiu marcar gols e consagrou Ochoa, que teve bela atuação. O 0 x 0 não atrapalha os planos do Brasil, que só depende de si para se classificar às oitavas-de-final.
A Seleção entrou em campo na Arena Castelão com uma mudança em relação à partida anterior – vitória por 3 x 1 diante da Croácia, em São Paulo. Sentindo dores na coxa esquerda, o atacante Hulk ficou de fora da formação inicial. Felipão optou por uma troca mais cautelosa e colocou Ramires na posição, apostando na maior proteção que o volante poderia dar ao meio-campo.
A regra na cerimônia de abertura das partidas brasileiras na Copa não foi quebrada. Já tradição neste Mundial, a torcida cearense cantou em uníssono o Hino Nacional e emocionou a todos. A todos mesmo, já que Neymar foi flagrado pelas câmeras com lágrimas nos olhos.
A partida começou e, nos minutos iniciais, faltas foram marcadas. O árbitro turco Curneyt Cakir preferia parar as jogadas e manter o jogo sob seu controle. Mesmo assim, lances duros e, por vezes, violentos eram vistos no gramado do Castelão.
Como era de se esperar, o Brasil era mais perigoso. Aos dez minutos, Neymar puxou contra-ataque e cruzou para Fred que, mesmo marcado, chutou na rede pelo lado de fora. A resposta mexicana demorou, só veio aos 23 minutos. Herrera carregava a bola no meio-campo ofensivo e, com liberdade, resolveu arriscar de longe. O chute saiu forte, mas Julio César conseguiu tocar na bola, que saiu sobre o travessão. O juiz, no entanto, marcou apenas tiro de meta.
Dois minutos mais tarde veio o lance mais perigoso do jogo. Daniel Alves subiu ao ataque e cruzou bola longa na área mexicana. Neymar subiu mais que a zaga e testou no cantinho do gol. O goleiro Ochoa voou para impedir o gol e fazer a defesa mais bonita do torneio até então. Apesar de em menor número, a torcida mexicana equilibrava os gritos na Arena Castelão. Era possível ouvir claramente gritos característicos dos tricolores, como o xingamento ao goleiro adversário a cada tiro de meta.
Empurrado, o time mexicano foi pra cima, sempre em chutes de fora da área. No entanto, as bolas não exigiram muito de Julio César, que foi seguro nas defesas. O primeiro tempo acabou com um Brasil dominante, mas sem conseguir transformar a ofensividade em gols.
Segunda etapa
Felipão mexeu na equipe na volta do vestiário. Ramires, pendurado com um cartão amarelo, deu lugar para Bernard. Na segunda metade do jogo, os primeiros dez minutos foram todos do México. A Seleção Brasileira retornou apagada e viu os adversários dominarem as ações.
Em apenas dez minutos, o México já havia finalizado quatro vezes a gol. Em um desses ataques, com Herrera, a bola passou raspando ao travessão de Julio César. O ímpeto inicial dos mexicanos não durou muito mais. E acabou quando o Brasil foi perigoso. Aos 17 minutos, em cobrança de falta, Neymar colocou a bola rente ao gol de Ochoa. O Brasil, então, acordou.
Aos 22 minutos, Jô entrou no lugar do apagado Fred, em uma tentativa de ter mais presença no ataque. No minuto seguinte, veio outra grande chance brasileira. Marcelo cruzou para Neymar, que dominou e bateu forte em cima de Ochoa. O goleiro soltou a bola nos pés de Daniel Alves, mas o lateral não conseguiu dar sequência à jogada.
O Brasil dominava a partida, era mais perigoso, mas não furava o bloqueio mexicano. Os tricolores apostavam no contra-ataque, mas se mantinham resguardados na defesa. Em uma última tentativa de mexer com a equipe, Felipão tirou Oscar e colocou o Willian.
O meia, no entanto, só teve nove minutos em campo e pouco pode fazer. A última grande chance brasileira aconteceu aos 40 minutos. Neymar cobrou falta na cabeça de Thiago Silva. O capitão testou à queima-roupa, mas Ochoa, bem posicionado, fez a defesa – o goleiro recebeu o prêmio de melhor jogador da partida. O México ainda assustou aos 45 minutos com Jimenez. O atacante subiu pela direita e arriscou chute forte, exigindo a defesa de Julio César. No rebote, a bola seguiu pela área, mas foi afastada pela zaga.
A pressão brasileira continuou, mas não foi o suficiente para alterar o placar. O empate em 0 a 0 deixa Brasil e México com quatro pontos, líderes do grupo A (o Brasil aparece na frente por conta do saldo de gols). Ambas as equipes farão partida simultânea, no dia 23, pela última rodada da primeira fase. Os brasileiros enfrentam Camarões, no Mané Garrincha, em Brasília. Já o México pega a Croácia, na Arena Pernambuco, em Recife.

Fonte: Época

Esporte