Esporte

Meninas provam em SP que skate tem espaço para charme e beleza

Atualizado em: 26/02/2014

skate4

skate1

Elas deslizam sobre rodas e transformam o asfalto em passarela. A nova geração de skatistas de dowhill longboards (skate para descida de ladeira) é independente, bonita, corajosa, vaidosa e se diverte sobre os carrinhos. Prova disso foi o encontro Ladeirada Feminina, que reuniu dezenas de meninas na ladeira da Faculdade de Química, na USP, neste sábado.

“Acredito que antigamente as meninas tinham esse estilo de pedreiro, pois as únicas referências eram homens. Hoje tem muita menina bonita ganhando campeonato e há uma maior divulgação na mídia”, diz Bruna Gadini, arquiteta de 25 anos de idade e uma das agitadoras culturais do encontro. Ela, além de longboard, pratica muay thai e slackline e exibe um corpo de fazer inveja a muitas mulheres.

“Acabou o tempo dessa história de menina skatista com jeito de pedreiro. A cabeça da mulherada está mais aberta, mulher skatista não tem nada de masculino”, concorda a campeã brasileira de downhill speed, a paulista Reine Oliveira, de 32 anos.

skate2

Vice campeã sul-americana, Reine recebe o Bolsa Atleta e foi juíza na semana passada de um campeonato internacional de skate em ladeira no Chile. Recentemente fez um ensaio fotográfico com outras personalidades e foi clicada pelo renomado fotógrafo J.R. Duran, em trabalho a ser lançado em outubro.
“Mas eu não ando com roupa de skate todos os dias. Sou feminina, rola uma vaidade, gosto de usar sapato alto, vestidinho feminino, e na minha nécessaire sempre tem batom, lápis e, claro, uma chave de skate”, sorri.

skate3

Casada com o skatista campeão de speed (skate em velocidade) Juliano Casemiro e mãe de um menino de nove anos, Reine não descarta fazer ensaios mais ousados. “Se convidarem posso analisar. Mas não basta ser feminina. É preciso ser radical e saber os riscos que podem ocorrer. Afinal, a gente lida com asfalto e asfalto machuca”, conclui.

Quem parece não tomar muito cuidado é Biancca Latorre, estudante de publicidade de 21 anos. “Eu ando todos os dias porque é muito mais divertido, mas já bati a cabeça e surgiu um galo”, recorda. Mesmo com o acidente ela prefere o estilo à segurança. “Sei que capacete é necessário, mas eu me faço de louca e uso apenas o boné”, diverte-se.

Com 1,75 m de altura, Biancca já atuou como modelo de passarela e não se intimida quando perguntam porque uma menina bonita como ela escolheu andar de skate. “Quem gosta, gosta, quem não gosta….”, sorri maliciosamente.

Nem sempre os comentários na rua são positivos. Bruna Mars, de 18 anos, conta que foi xingada por um motorista de ônibus em São Paulo. “Me chamaram de vagabunda maconheira”, diz a garota, que usa o skate para se locomover pela cidade.
Fonte:UOL

Esporte