Empreendedorismo

Mulheres acessam mais da metade do microcrédito oferecido na Paraíba

Atualizado em: 29/03/2014

vilani_ferreira_da_silva

As mulheres foram responsáveis, em 2013, por mais da metade dos negócios gerados pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB) na Paraíba, através de duas linhas de microcrédito. A instituição liberou R$ 554,1 milhões em financiamentos no estado e, desse total, as mulheres empreendedoras representaram quase 61% no Crediamigo e no Agroamigo elas são 53% das responsáveis pelos contratos fechados em um ano, segundo dados do banco.
No bairro Pio X, em Cajazeiras, no Sertão da Paraíba, a agricultora Vilani Ferreira da Silva encontrou há seis anos uma saída lucrativa para a atividade. Com um empréstimo de R$ 400, ela investiu em leite e na aquisição de pintos de granja. Hoje ela comercializa frutas, produz queijos que são vendidos em casa, além de fazer bolos para abastecer três cidades vizinhas. “Já estou viciada. Não deixo nunca mais de fazer esses empréstimos que me ajudaram muito. Com a renda consegui até comprar minha casa”, disse. Devido à expansão da atividade com a conquista de clientes, Vilani conta com a mão de obra dos dois filhos para tocar o negócio.
O superintendente estadual do BNB, José Maria Vilar, reforça que, assim como aconteceu com Vilani, existe entre as mulheres a vontade de se inserir no mercado formal, por isso o interesse pelas linhas de crédito. Para ele, apesar de uma ‘revolução feminina’ estar em curso, elas ainda estão presentes no mercado informal por não terem acesso ao mercado formal.
“As mulheres vêm ocupando a cada dia um papel de maior importância na sociedade e o microcrédito tem sido a porta de entrada de muitas empreendedoras que até então não tinham essa oportunidade de contribuir economicamente para o sustento de suas famílias, de alcançar sua independência financeira e de se realizar também como mulheres de negócios”, frisou.
Acesso a crédito melhora renda familiar
Na prática, dos cerca de 41 mil clientes atendidos pelo BNB em 2013, aproximadamente 25 mil são mulheres que buscam complementar o rendimento familiar e garantir recursos extras com as atividades geradas a partir desses incentivos.
Segundo o superintendente, o fortalecimento do protagonismo das mulheres através dos programas sociais do governo federal reforçaram o caráter empreendedor delas. “Isso gerou muitas oportunidades de aprendizado e incentivo à criação de novos negócios, nos diversos segmentos”, destaca José Maria Vilar.
O mesmo interesse das mulheres empreendedoras em contribuir de forma definitiva na composição da renda familiar é percebido pelo BNB entre as produtoras rurais. O Agroamigo, linha de crédito voltada para produtores rurais, atendeu em 2013 19.440 mulheres com financiamentos, o que representa quase 53% dos 36.680 contratos firmados.
“Não é que exista um diferencial, mas há um interesse desse público em passar a contribuir no processo de formação da renda familiar”, disse José Maria Vilar. A necessidade de se inserir no mercado formal e de potencializar a agricultura familiar fez das mulheres as responsáveis por mais da metade dos recursos destinados pelo BNB nas duas linhas de microcrédito.
Para José Maria Vilar, “as mulheres têm se mostrado extremamente determinadas, habilidosas e organizadas, enxergando a oportunidade de empreender como um sonho do qual não abrem mão, fazendo de tudo para que seus empreendimentos venham a ser bem sucedidos e tenham continuidade ao longo do tempo”.
Oportunidade de entrar no mercado formal
O atendimento às mulheres ocorre em praticamente todas as cidades da Paraíba, ultrapassando uma proporção superior aos 60%, segundo o superintendente estadual do Banco do Nordeste do Brasil, José Maria Vilar.
“Com exceção de João Pessoa, o Banco do Nordeste detém participação no crédito rural superior a 60% em todos os municípios paraibanos, havendo casos em que essa participação chega a superar os 90%. No crédito destinado ao financiamento de longo prazo (exceto crédito rural), a participação do Banco na Paraíba é da ordem de 48%”, reforçou.
Mas é nas áreas rurais tem que se percebido um outro perfil de cliente com atividades produtivas rentáveis. Com o programa Agroamigo, o BNB busca novas possibilidades de contratos enviando às comunidades assessores de crédito. Em 2013, segundo o gerente do programa Everardo Magalhães, o Agroamigo beneficiou indiretamente 110.040 pessoas a partir desses contratos firmados.

A equipe técnica do programa tem entre as atribuições realizar palestras informativas sobre o programa junto aos produtores rurais. As visitas incluem também o início de análise dos negócios, em que é observada a capacidade financeira, a viabilidade econômica e a vocação profissional. Quando a visita resulta em contrato, os clientes passam a ser acompanhados e orientados sobre a aplicação dos recursos.
Fonte:G1

Empreendedorismo