Empreendedorismo

Empresária lucra com uniformes personalizados para chefs de cozinha

Atualizado em: 20/04/2014

uniforme

O uniforme padrão dos chefs de cozinha incomodava a empresária Lilian de Barros, que estudou gastronomia e percebeu a vaidade reprimida dos profissionais da área. Nasceu aí uma linha de roupas especiais para quem quer ter uma aparência à altura dos pratos que prepara. “Trabalhando como chef eu senti necessidade de ter roupas mais bonitas, mais confortáveis e que parecessem mais femininas”, diz.
Hoje, Lilian e seu marido, Márcio Palermo, tomam conta do negócio, que foi aberto em 2010. Eles bolam as peças e uma modelista faz os desenhos. As roupas e os uniformes são feitos em uma confecção própria, por cinco funcionários.
A empresa vende 40 tipos de uniformes, com design e cores ousados. Na ausência de maquiagem ou joias na cozinha profissional, a loja oferece modelos com cortes especiais para o corpo feminino. O estabelecimento tem ainda roupas infantis, como bandanas, aventais e camisetas, tudo com estampas exclusivas; e vende também porta-utensílios de cozinha, pingentes e broches temáticos.
A loja vende de 1.200 a 1.500 peças por mês. O faturamento do negócio, no ano passado, foi de R$ 600 mil. “Nós tivemos um crescimento de 40% de 2012 para 2013, e esperamos esse ano, no mínimo, mais 40% de crescimento”, diz Lilian.
Uniformes impecáveis
O Na Cozinha Restaurante, que fica nos Jardins, em São Paulo, é famoso pelo picadinho premiado e pelos uniformes impecáveis. O chef Carlos Ribeiro, sócio-proprietário do negócio, compra os uniformes da empresária Lilian há quatro anos.
A cozinha do restaurante é de vidro, portanto, dá para ver todo o preparo dos pratos e, de quebra, o uniforme dos cozinheiros. O local tem apenas 24 lugares e o chef transita entre a cozinha e as mesas. Por isso, o cuidado com a aparência é fundamental.
Os uniformes são feitos sob medida. Os aventais da equipe, assim como as toalhas de mesa, têm a estampa da pedra do Ingá, monumento arqueológico símbolo da Paraíba, terra natal do dono do restaurante.
Carlos Ribeiro gasta de R$ 6 mil a R$ 9 mil por ano em trajes para ele e para oito funcionários. “A apresentação é fundamental, porque ela faz parte da continuação do seu trabalho, ou seja, ela é o somatório do seu trabalho com a imagem que você representa.”

Fonte:G1

Empreendedorismo