Empreendedorismo

Brasileira tem história de superação: Cria negócio de sucesso

Atualizado em: 28/05/2016

liliam-altuntas

Ter espirito de empreendedor, Liliam passou por diversos problemas, mas mostrou sua garra com uma grande história de superação. Reproduzimos na íntegra.

Quem vê Liliam Altuntas, de 35 anos, tão sorridente e animada não faz ideia do que ela passou para virar uma empreendedora de sucesso. Hoje, ela é dona de uma confeitaria na Itália e fatura 360 mil euros ao ano (R$ 1,45 milhão, na cotação atual)

Nascida em Recife (PE), Liliam se mudou ainda bebê, junto com a mãe, para Queimados (RJ). Quando tinha um ano e meio, voltou para sua cidade natal e foi morar com a avó paterna. Aos seis anos, foi deixada os cuidados de um tio paterno. “Na casa dele, eu sofri abuso sexual até os 11 anos. E preferi fugir”, afirma.

Ao sair da casa do tio e não ter para onde ir, Liliam morou por alguns meses nas ruas da capital pernambucana. Anos depois, chegou a viver como prostituta em Fortaleza. “Dois anos depois, fui traficada para Dusseldorf, na Alemanha. Vivia de luxo e tinha clientes ricos. Mas não gostava e vivia drogada”, diz.

Aos 17 anos, conheceu uma família de voluntários, que decidiu ajudá-la e começou, mesmo que timidamente, a se dedicar à cozinha. “Fazia empadas e coxinhas, mas não profissionalmente. Creio que o samba e a culinária estão no sangue de todos os brasileiros.”

Já na Itália, Liliam se casou e passou a fazer quitutes brasileiros informalmente. Um dia, uma brasileira descobriu Liliam e pagou para que ela fizesse um jantar típico para ela e alguns amigos. “Foi a partir desse dia que minha carreira começou”, diz a pernambucana.

Conforme o tempo foi passando, Liliam focou mais na produção de bolos e doces, mas sem deixar de lado salgados, doces típicos e marmitas brasileiros.

Em junho de 2013, abriu sua loja própria, mas os altos custos a fizeram voltar a ter uma produção caseira. “Na verdade, ficar em casa me fez ter menos custos, o que está sendo ótimo para mim”, diz.
Além da comida, Liliam dá palestras motivacionais em escolas e colégios italianos e cursos de culinária. No total, Liliam fatura 360 mil euros por ano (R$ 1,45 milhão) com seu trabalho.

Quando perguntada sobre seus planos para o futuro, a pernambucana afirma que quer empreender no Brasil. Diz que sentiu raiva do país por muito tempo, por não ter tido chance de se reerguer por aqui, mas que voltou a nutrir carinho pela terra natal ao reencontrar com a mãe, no ano passado, após 30 anos. “Queria dar palestras, cursos e abrir um negócio no Brasil. Meu desejo é fazer algo pelo país.”

 

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Empreendedorismo