Educação

O que esperar e saber sobre a mudança do ensino infantil para o fundamental

Atualizado em: 19/02/2016

ensinofundamental

A mudança da fase escolar é um processo natural, mas pode ser enfrentado com dificuldade por algumas crianças. Sair do ensino infantil para o fundamental representa uma carga de responsabilidade maior e, muitas vezes, as crianças sentem mais do que o normal essas diferenças.

O aumento da carga escolar, a modificação da rotina e as novas disciplinas são alguns fatores que podem interferir no processo de adaptação a essa nova realidade. Por este fator, é necessária a atenção da escola e a ajuda dos pais para evitar que esse período seja traumático. Para isso, o psicólogo do Hapvida Saúde, André Assunção, e a coordenadora pedagógica da Prime’s Cool, Mara Nogueira, dão dicas para lidar com a situação de forma tranquila e sem mistérios.

Entenda o que muda

Embora os dois momentos aconteçam na infância, a rotina e abordagem do conteúdo são diferentes, e pais e filhos precisam entender o que vai mudar. “Na educação infantil, a criança tem muito momentos integrados, as áreas de conhecimentos são trabalhadas de forma conjunta, o que não acontece no ensino fundamental, que tem horário e livros separados para cada disciplina. O trabalho individual é iniciado nessa fase, além da diminuição da ludicidade e brincadeira e a inserção da prova como avaliação”, explica Mara Nogueira, coordenadora pedagógica da Prime’s Cool.

Explique a necessidade da mudança

O avanço na etapa escolar exige também o amadurecimento da criança para essa nova fase da vida. Sendo assim, os pais precisam esclarecer que a mudança é parte do processo de crescimento e que esse momento é essencial na sua vida. “A melhor maneira é orientar e mostrar que o ambiente escolar pode ser agradável e divertido. A escola tem que ser atrativa e promover bons relacionamentos interpessoais”, esclarece o psicólogo do Hapvida Saúde, André Assunção.

Apresente o novo momento como uma conquista

A escola tem um papel determinante, pois a transição deve ser tranquila e natural. “Nos primeiros dias de aula, é importante que os professores mostrem a nova rotinas, expliquem as novas regras e digam que os alunos venceram uma etapa e estão entrando em outro tempo”, destaca Mara Nogueira. “Na nossa escola, fazemos uma transição bem marcada, com uma despedida da educação infantil, a entrega de chaves dos armários e a comemoração da conquista de ter chegado a esta nova fase”, acrescenta.

Passe segurança

A presença dos pais também é importante durante o processo de transição. Levar as crianças na porta, se envolver na nova rotina e interagir com os professores, pode tornar o momento mais leve e de fácil adaptação. “Os filhos devem se sentir seguros com a presença dos pais e, aos poucos, aceitarem que a mudança foi para melhorar e não para tirar algo delas”, explica o psicólogo.

Converse com a escola

Às vezes, essa transição vem acompanhada da mudança de escola, e para diminuir o impacto, é necessário que haja diálogo entre a nova instituição e a família. “Ambos precisam trabalhar do mesmo jeito, por isso a importância de se escolher uma escola que tenha os mesmos valores, direitos e deveres praticados em casa, assim ela funciona como uma extensão do lar que trabalha em paralelo com os pais”, ressalta a coordenadora.

Analise o comportamento

Mesmo mantendo-se presentes na nova rotina, os pais precisar ficar atentos ao comportamento dos filhos durante as primeiras semanas. “Os principais sinais de uma boa adaptação é ver se a criança está falante, agitada e empolgada com o novo ambiente. Caso a criança esteja isolada, com pouco ânimo e disposição, pode ser sinal de dificuldade. Com isso, os profissionais da escola podem ajudar a família, ofertando suporte nesse processo de mudança”, orienta o psicólogo André Assunção.

Educação