Economia

Mulheres já representam quase metade dos empreendedores iniciais do país

Atualizado em: 08/03/2016

IMG_2822

Que as mulheres estão conquistando cada vez mais seu espaço no mercado de trabalho muitos já perceberam, porém existe também um avanço no ramo do empreendedorismo. Seja por oportunidade ou necessidade, elas já se equipararam ao homens quando o assunto é o próprio negócio. Segundo pesquisa do Sebrae, em parceria com o Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em 2015, elas representaram 49% do empreendedores iniciais do país e 44,3% dos estabelecidos, sendo 46,7% da taxa total. Já na Paraíba, de acordo com dados do Sebrae PB, 45% dos micro empreendedores individuais são mulheres.

As fisioterapeutas Juliana Elias, Marluce Maia e Rossana Vasconcelos, da Equilibra – Centro de Reeducação da Postura e do Movimento, são um exemplo. Antes de abrirem o estúdio, cada uma atuava em seu próprio consultório. Com a chegada do Pilates no Brasil, em 2003, a ideia de ter um único negócio gerido por elas se concretizou. “Nós achamos que o Pilates era agregador para o trabalho que já desenvolvíamos. Fizemos o curso e, em seguida montamos o primeiro estúdio de Pilates em João Pessoa, época em que o método era pouco conhecido”, afirma a sócia Marluce Maia.

O negócio cresceu e se consolidou. Hoje, com 12 anos de experiência, a clínica é referência na área e Centro de Treinamento da Physio Pilates, contribuindo para formar novos profissionais de Pilates. Além disso, a Equilibra ampliou a gama de serviços ofertados, como RPG, Equilibração Corporal, Corealign e Massagem Terapêutica.

No caso da jornalista Iara Ieno, a oportunidade de abrir o próprio negócio apareceu logo após a formatura, quando observou as novas necessidades na área de comunicação em João Pessoa. Depois de um período de experiência em outras empresas para conhecer melhor o mercado, a jovem abriu uma agência de Assessoria de Comunicação na cidade. “No início, eu tinha apenas um cliente e pouca experiência. Aos poucos, com muito trabalho e capacitação, fomos crescendo e nos consolidando no mercado”, afirma a empresária.

Com mais de 15 anos de experiência, a Pauta Comunicação é hoje uma empresa reconhecida na área de comunicação empresarial, com o diferencial de ter os clientes como principais garotos propaganda. “Muitos dos nossos novos trabalhos, vieram através de indicações dos nossos clientes, que, satisfeitos com os resultados obtidos, nos indicam para outros empresários,” diz a jornalista, que cita capacitação constante e entendimento do setor como fatores determinantes para o sucesso. “Para abrir um negócio, é preciso entender do ramo de atuação, mas também ter uma boa visão empresarial e um bom relacionamento com clientes e parceiros”, comenta.

Para Nicolle Nery, o empreendedorismo surgiu de uma própria necessidade. Ao chegar em João Pessoa para trabalhar em uma multinacional, a administradora e enfermeira ficou grávida do primeiro filho e logo partiu em busca de um berçário para deixá-lo quando sua licença maternidade acabasse. Sem sucesso, Nicolle começou a pensar em novas alternativas, até que decidiu abrir o seu próprio berçário, o Baby’s Cool. “Eu me vi sem suporte e não tinha família por perto para ajudar. Então, comecei a pensar nas mães da cidade que estavam na mesma situação e decidi preencher essa lacuna do mercado e abrir um berçário com tudo que eu imaginava para o meu filho”, explica Nicolle.

A aposta foi tão certeira que, em 2014, a empresária projetou a nova sede, transformando o berçário também em escola infantil – o espaço de desenvolvimento Prime’s Cool & Baby’s Cool – e, em 2016, iniciou com o ensino fundamental. Com 4,5 mil m² e opção de meio período e integral, a escola possui 180 alunos e é a única no Brasil a oferecer o método Descobrincar, da editora francesa Nathan, onde a criança aprende brincando. O espaço também conta com aulas extracurriculares e uma equipe multidisciplinar, com professores, pedagogos, fisioterapeuta, fonoaudióloga, nutricionista, enfermeiras, técnicas em enfermagem e parceria com uma psicóloga.

Essas e outra mulheres vêm modificando o mercado atual e, principalmente fugindo dos estereótipos, como destaca superintendente do Sebrae Paraíba, Walter Aguiar. “A contribuição que a mulher vem trazendo, especialmente conduzindo ou gerenciando pequenos negócios, é fundamental para o desenvolvimento social e econômico do nosso Estado. Até porque essa participação extrapola segmentos tradicionais, como salões de beleza e lojas de confecções, para negócios como oficinas mecânicas, trazendo novos padrões de gestão e liderança, gerando produtividade e, inclusive, incluindo mais mulheres”, finaliza.

Economia